• IL PIZZAIOLO

     


    AQUECENDO O FORNO

    FOLHA DE S. PAULO / Igor Gielow (Brasília) – Oito anos depois de ter sido revelado e quase um após sua dura sentença em julgamento no Supremo, o caso do mensalão ainda suscita emoções e reviravoltas.

    Como já escrevi aqui, bola de cristal deveria ser item proibido na corte. O dia de ontem está aí para provar. Paradoxalmente, o de hoje talvez também traga surpresas.

    O STF poderá ratificar nesta tarde o que parecia ser a tendência de ontem: acatar um novo julgamento para alguns dos réus. Decisão excêntrica, mas para a qual se encontraram argumentos, como tudo na vida.

    Chamou a atenção o surpreendente voto de Rosa Weber, dado até então como certo pela rejeição dos chamados embargos infringentes.

    Destacou-se, nesta fase de recursos, o comportamento da dupla de ministros indicados por Dilma Rousseff após a sentença do caso: Teori Zavascki e Luís Roberto Barroso.

    Ao começar a discutir os embargos iniciais, declaratórios, ambos disseram que não mudariam decisões que tomaram tanta energia da corte. Zavascki mudou de ideia depois, mas não comoveu o plenário.

    Já Barroso manteve a pose, e mesmo enaltecendo José Genoino como um “freedom fighter” brazuca e criticando sentenças, não buscou alterá-las. Isso acabou ontem.

    Sempre haverá insinuações de que os novatos jogaram afinados com quem os indicou. Sem prova é leviandade, mas é um veneno de aspersão inevitável, ainda que seja má notícia para Dilma ver mensaleiros na agenda política em 2014, com campanha, Copa e talvez protestos nas ruas.

    A bola agora está, a confiar nas videntes que dão Cármen Lúcia e Marco Aurélio Mello como contrários aos recursos, com Celso de Mello. As mesmas adivinhas creem que ele se manterá a favor do novo julgamento. Eu é que não arrisco palpite.

    A seguir esse roteiro, a barafunda processual se instalará, com possível revisão de penas que apoiará prescrições. E a pizza ruma ao forno.


     Leave a reply