• CURARE OU PLACEBO? (*)

     

                ‘IMPEACHMENT NÃO É GOLPE, É REMÉDIO INSTITUCIONAL, AFIRMA FHC’

    ESTADÃO / Via Portal No Ar (Natal) – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu que o PSDB deve caminhar “unido” pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. Em evento de lançamento do novo site do Instituto Teotônio Vilela, braço de articulação política do PSDB, foi exibido um vídeo no qual FHC rebate os argumentos do PT e do governo e diz que o impeachment não é golpe, mas um “remédio constitucional”.

    “Diante da incapacidade do governo de governar, de flagrantes abusos que ferem a nossa Constituição, praticados reiteradamente por aqueles que detêm o poder, infelizmente, não resta outro caminho se não marcharmos para o impeachment. Não tem nada a ver com golpe, é um remédio constitucional”, diz o tucano.

    O ex-presidente reforça repetidamente, no vídeo de cerca de três minutos, que os movimentos ocorrem “dentro da democracia” e “dentro da Constituição”. “Quando há apoio na sociedade, quando há maioria no Congresso e há uma base jurídica, vai ser o impeachment.”

    Ele insiste também que o processo de impeachment é político, não penal, refutando a defesa do governo de que Dilma é uma pessoa ‘honesta’ e que, por isso, não poderia ser deposta.

    “As pessoas que sofrem eventualmente impeachment não são criminosas, não têm penalidade, não se trata de um processo penal. É um processo político, da incapacidade demonstrada pelo governo de governar e, para tentar governar, infringir a constituição. É por isso que o PSDB deve marchar unido para o impeachment”, frisou.

    No vídeo, FHC responsabiliza o governo Dilma e o PT pela situação “dramática” que o País vive. “Esse processo que estamos vivendo é dramático, repito, por erros do governo petista. Nos levaram ao caos que estamos na economia, a essa indecisão na vida política, por incapacidade e vontade de serem hegemônicos, ou seja, de mandar em tudo e não respeitar o outro”, afirmou.

    “Não queremos o impeachment para desrespeitar o outro, queremos impeachment para reconstruir uma situação democrática que permita a convivência de todos”, prosseguiu. E disse que o PSDB tem que ser “o partido da construção do futuro do Brasil”, mas sem que isso seja feito “através de acomodações”.

    Lava Jato

    Sem mencionar diretamente o PMDB ou Michel Temer, FHC saiu em defesa da continuidade das investigações da Lava Jato. Ele disse ser necessário um “consenso nacional”, mas que o acordo político não pode atropelar a operação.

    “O preço do acordo não pode ser acabar com a Lava Jato. A Lava Jato é parte do processo democrático brasileiro, vai continuar, dentro da regra. Se houver abuso, há tribunais capazes de conter o abuso”, disse o tucano

    O ex-presidente avaliou que a situação do País é ruim e que não é possível ter uma visão otimista no curto prazo, mas destacou que o Brasil “tem potencial” e, com avanço das reformas estruturais, vai ter condições de recuperar a confiança.

    Site

    No lançamento do novo site do instituto, o presidente do ITV, José Aníbal, disse que a ideia é o PSDB ampliar a comunicação, para não ser apenas com militantes tucanos, mas para fazer “debates sobre o momento do País”, ainda mais em um momento em que avança um processo de impeachment.

    “O portal ITV quer pensar o Brasil”, afirmou ao apresentar o novo portal a jornalistas. Segundo o tucano, eles identificaram essa necessidade com a crescente crise da representação política com a sociedade – algo que vem ficando cada vez mais evidente desde os protestos de rua de 2013.

     

    Nota do SDV ( * ): Curare é um nome comum a vários compostos orgânicos venenosos conhecidos como venenos de flecha, extraídos de plantas da América do Sul. Possuem intensa e letal ação paralisante, embora sejam utilizados medicinalmente como relaxante muscular ou anestésico.  Já o efeito placebo se refere à ideia de que, se a uma pessoa se lhe subministra uma droga ou um tratamento que ela pense que vai curá-la, seus sintomas vão diminuir. Esse efeito acontece normalmente quando uma droga está sendo avaliada, mas também podemos observá-lo em nosso dia a dia. Portanto, se trata de um fenômeno psico-fisiológico.


  • RAIO X DE UM ESCROQUE

     

    No livro do repórter Mário Morel (acima), “Lula o Metalúrgico – Anatomia de uma Liderança” (1981), já esbarramos com um Lula altamente pilantra, sem ética e nenhum caráter, além da comprovação de que ele sempre foi um curtidor da vida mansa de ATIBAIA, com suas chácaras e sítios pertencentes às ‘zelites brancas, opressoras e fascistas…’

    No citado livro de Mário Morel (editora Nova Fronteira), o próprio Lula se jacta de ter, já rapaz feito, mandado o patrão “tomar no cu” depois de arrancar-lhe dinheiro de combinada hora extra que jamais cumpriu – o que não deixa de expressar, sem retoques, o seu peculiar senso ético.

    No exercício da liderança sindical, o escolado Lula também não surpreende. Perduram nos anais da história seus encontros com Murilo Macedo, num sítio de Atibaia, interior de São Paulo, em que o “filho do Brasil” enchia a cara de cachaça e pedia – e recebia – grana ao ministro do Trabalho do regime militar.

    Afora esses dados de Mario Morel, conta Romeu Tuma Jr – filho do ‘xerife’ do DOPS paulista, o delegado Romeu Tuma -, que Lula, durante as grandes greves da região do ABCD em 1978 / 1979, exerceu o papel de X-9, codinome ‘Barba’, entregando os ‘companheiros’ trabalhadores mais radicais e comendo toco como “esvaziador” de manobras sindicais, criadas por ele mesmo e seus asseclas sindicais.

    Até hoje o ‘Barba’ nunca respondeu e nem processou o filho do “xerife” da ditadura militar em São Paulo.

    Assim começou o poder de Lula, na base do achaque!

     

    Nota do SDV: Apud blog Midia Sem Máscara / Ipojuca Pontes.