• COCALEROS, SÍ!

                          “Hay que endurecerse, pero sin perder la Coca y McDonald’s jamás”

     

     

              COCA-COLA E McDONALD’S SÃO BEM-VINDOS EM CUBA, DIZ FILHO DE FIDEL

    UOL (São Paulo) – A Coca-Cola e o McDonald’s são bem-vindos em Cuba, segundo um dos oito filhos de Fidel Castro, Álex. Ele deu entrevista à emissora “América TéVé”, um canal hispânico de Miami.

    Foi o primeiro pronunciamento público de um dos descendentes do líder cubano após a retomada das relações entre a ilha e os Estados Unidos.

    Álex é o fotógrafo oficial de Fidel, e, durante a conversa, afirmou: “podem montar uma fábrica de Coca-Cola aqui, por que não? Isso não nos afeta”.

    “Somos vizinhos. Podem produzir Coca-Cola aqui, podem trazer o McDonald’s. Estamos fazendo um ‘break’ do socialismo, mas não vamos renunciar a ele”, acrescentou.

    O filho de Fidel afirmou também, durante a entrevista, que seu pai está vivo e se alimentando bem. A última aparição de Fidel foi no final de 2013, e sua última foto foi divulgada em agosto de 2014.


  • “PUNGOBRAS”

     

    CARTEIRA DE EXPLORAÇÃO DA PETROBRAS CAIRÁ AO ‘MÍNIMO NECESSÁRIO’, AFIRMA GRAÇA

    FOLHA DE S. PAULO / Lucas Vettorazzo e Samantha Lima (Rio) – A presidente da Petrobras, Graça Foster, anunciou nesta quinta-feira (29) que irá cortar investimentos da companhia a ponto de reduzir a carteira de exploração de petróleo “ao mínimo necessário” e que irá também desacelerar o ritmo das obras do Comperj, refinaria em construção em Itaboraí, região metropolitana do Rio.

    A empresa também manterá parada a obra da unidade de fertilizantes, no Mato Grosso do Sul, cujo contrato com o consórcio construtor foi rompido no final do ano passado. A unidade, segundo Graça, está 85% concluída e uma nova licitação será “conduzida com a velocidade necessária”.

    Essas são algumas das medidas, ainda não detalhadas, que indicam o caminho que a empresa vai tomar para cortar os investimentos em 30% este ano, dos US$ 44 bilhões anteriormente previstos, para algo entre US$ 31 bilhões e US$ 33 bilhões. A ideia da empresa é reduzir o ritmo dos projetos que “trazem pouca ou nenhuma contribuição para o caixa da empresa” neste ano e em 2016.

    PREÇOS DOS DERIVADOS

    Outra medida prevista é a revisão da política de preços para os derivados que não sejam gasolina e diesel. Graça não deu maiores detalhes, disse apenas que a revisão atingirá combustíveis, como óleo combustível, GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) para o setor industrial e também o asfalto, também derivado de petróleo cru. A presidente não deu detalhes do que será feito, mas sinaliza uma mudança do subsídio que é dado a esses produtos.

    As informações foram apresentadas por Graça, na tarde desta quinta-feira (29), em teleconferência com analistas sobre o balanço, não auditado, do terceiro trimestre de 2014

    “Sobre o Capex (investimento, vai haver) redução do ritmo de projetos que trazem pouca ou nenhuma contribuição ao caixa nesse ano de 2015 e 2016. Da área de Abastecimento, estamos diminuindo a velocidade de investimento no Comperj e toda a infraestrutura associada a ele. No Gás e Energia, estamos com a fábrica de fertilizantes já 85% realizada parada no momento.”

    “(Não houve) entendimento entre nós e o consórcio que constrói essa unidade. Nós denunciamos o contrato e estamos nos preparando para uma próxima licitação, e vamos conduzir isso com a velocidade necessária. E na área de Exploração e Produção, (vai haver) a revisão da carteira exploratória ao mínimo necessário”, disse Graça aos analistas.

    Após a teleconferência com analistas, a presidente da estatal e toda a diretoria concederão uma entrevista coletiva com os jornalistas, na sede da empresa, no centro do Rio.

    AÇÕES EM QUEDA

    As ações da Petrobras voltaram a desabar nessa quinta-feira, empurrando a Bolsa brasileira para o vermelho, ainda com avaliações negativas em relação ao balanço não auditado da companhia no terceiro trimestre de 2014, que não contabilizou perdas com corrupção.

    Após caírem mais de 10% na véspera, as ações preferenciais da Petrobras, mais negociadas e sem direito a voto, tinham desvalorização de 5,09%, para R$ 8,57, às 11h30 (de Brasília). Já as ordinárias, com direito a voto, cediam 6,26%, para R$ 8,09.

    BALANÇO

    A Petrobras divulgou na madrugada desta quarta-feira (28), após dois adiamentos, o balanço com os resultados do empresa no terceiro trimestre de 2014. A estatal viu seu lucro despencar 38% no período, em comparação com o trimestre anterior, de R$ 4,9 bilhões para R$ 3,1 bilhões. Em relação ao terceiro trimestre de 2013, o lucro caiu 9%.

    O valor, contudo, não contabiliza o dinheiro perdido em desvios investigados na Operação Lava Jato e nem a perda de valor recuperável de alguns de seus ativos por efeito do escândalo de corrupção. A companhia atrasou o balanço desde 14 de novembro justamente para a realização de tal ajuste.

    A estatal afirma em balanço que a metodologia que adotou para descontar o valor incorporado indevidamente como investimento, mas desviado em esquema de corrupção entre 2004 e 2012, mostrou-se “inadequada” e, por isso, recuou da promessa de subtrair o valor de seus ativos. A fórmula, diz a Petrobras, tinha “elementos que não teria relação direta com pagamentos indevidos”.

    Como a Petrobras não fez o ajuste prometido, a empresa alerta que os números serão passíveis de revisão. O comunicado diz que a fórmula adotada ia realizar um ajuste “composto de diversas parcelas de natureza diferente, impossíveis de serem quantificadas individualmente”, como câmbio, projeções de preços e margens de insumos e de produtos vendidos, entre outros.

    SEM ORIENTAÇÃO

    A ausência de baixas contábeis relacionadas às denúncias de corrupção da Operação Lava Jato no balanço trimestral da Petrobras decepcionou analistas e investidores, que continuam sem uma orientação clara sobre o valor justo dos ativos da estatal.

    A Guide Investimentos disse que o balanço foi “uma peça de ficção”. Já a XP Investimentos questionou qual a utilidade do documento “se não tem baixa contábil”.

    Em relatórios, analistas apontaram que a companhia divulgou o balanço para atender as obrigações com credores, sem ter incluído a dimensão das perdas decorrentes do sobre preço de contratos que beneficiou ex-funcionários, executivos de fornecedoras e políticos, segundo investigação do Ministério Público Federal.


  • BÊ-A-BÁ

     

                      DISCURSO DE DILMA MOSTROU DESCONFORTO DA PRESIDENTE

    UOL / BLOG DO FERNANDO RODRIGUES – “Podia passar mais rápido, por favor”, disse Dilma Rousseff, irritada, num dos trechos de seus discurso de abertura da primeira reunião ministerial de seu segundo mandato. Estava incomodada com a velocidade com que deslizava à sua frente, no teleprompter, o texto de sua fala.

    Segundos depois, não satisfeita, afirmou: “Vou ler”. Fez menção de pegar o discurso, impresso, e passar a ler olhando para o papel – e não para a frente, pela tela transparente do teleprompter. Em seguida, desistiu do papel. Voltou a encarar o teleprompter e a ler de maneira titubeante.

    Esse trecho do discurso foi muito mencionado nas redes sociais. A brigada petista reagiu na hora diante das menções à irritação de Dilma. “Falta de assunto, cretino?”, atacou um militante do PT.

    Na realidade, se faltou assunto foi para a presidente da República. Ela própria fez uma ressalva ao final, lembrando a todos que as medidas que incluiu no discurso já eram conhecidas – muitas já estavam até incluídas em medidas provisórias enviadas ao Congresso.

    Com um terninho amarelo, Dilma foi prejudicada também pela luz e pela maquiagem que faziam seu rosto brilhar de maneira excessiva na tela da TV. A presidente parecia o tempo todo desconfortável com o que estava falando. Demonstrava insatisfação com o conteúdo do discurso com o qual toureava no teleprompter.

    Falou que vai combater a corrupção, que o momento é de contenção de gastos, que é necessário (não poderia faltar esse jargão) “fazer mais com menos” e que seus 39 ministros devem reagir “aos boatos”. Quando ouvirem que o governo vai reduzir direitos trabalhistas, devem levar “a posição do governo à opinião pública”, pois tais direitos “são intocáveis”. Dilma determinou: “Não podemos deixar dúvidas”.

    Mas a presidente falou sobre fazer um milagre sem mencionar a receita para materializá-lo. Afinal, o que é a política (correta, do ponto de vista econômico) de exigir mais meses de trabalho prévio por parte de quem é demitido e deseja ter acesso ao seguro desemprego? Trata-se de retirar um direito de parte dos trabalhadores.

    O governo pode argumentar que se trata de uma anomalia a facilidade com que se concede tal benefício. Mas não tem como chamar a medida por outro nome que não “redução de um direito trabalhista”.

    Dilma poderia ter usado seu discurso no início da reunião ministerial desta terça-feira (27.jan.2015) para explicar tudo isso. Poderia dizer: existem certos benefícios que não se tratam de direitos, mas de privilégio para poucos com o prejuízo da maioria que precisa bancar essa farra – afinal, é o que se passa. Estaria oferecendo aos seus ministros argumentos mais objetivos para que sejam claros em suas entrevistas.

    Mas a presidente talvez não esteja nem ela própria tão convencida do que está sendo adotado – a seu mando – pela equipe econômica. Esse foi o tom de seu discurso. E não apenas porque ela gaguejou várias vezes ao ler o texto no teleprompter. O caso mesmo foi de falta de convicção no discurso presidencial.


  • HONRA AO MÉRITO DA ENCICLOPÉDIA DO FUTEBOL

    Nilton Santos, “a enciclopédia do futebol”, maior lateral esquerdo da história e exemplo de abnegação e paixão de um jogador por um clube de futebol.

     

    Tu, em campo,
    Parecias tantos,
    E no entanto,
    Que encanto!
    Eras um só,
    Nilton Santos.

    (Armando Nogueira)

     

    BOTA IGNORA PREFEITURA E PEDE QUE TORCIDA CHAME ENGENHÃO DE ‘NILTON SANTOS’

    UOL / Bernardo Gentile (Rio de Janeiro) – O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, ainda não desistiu de trocar o nome do Engenhão. Após ser empossado em cerimônia oficial, o mandatário discursou para os sócios e ignorou a negativa da Prefeitura de chamar a casa do Alvinegro de Estádio Olímpico Nilton Santos. Para ele, os torcedores devem adotar o nome preferido e fazer valer sua vontade.

    “Estamos em um processo de recuperação da nossa dignidade e ter  o nosso estádio com o nome do maior jogador da história do Botafogo é algo fundamental. Eu prometo a vocês que vamos conseguir mais essa conquista”, disse Carlos Eduardo.

    Em seguida, o presidente voltou a comentar o momento delicado pelo qual o Botafogo passa e, emocionado, prometeu penalizar os culpados por colocarem o clube em tal situação.

    “Eu prometo a vocês que as pessoas que colocaram o Botafogo na atual situação não ficarão impunes. Nós vamos sempre olhando para frente, mas sem esquecer o passado”, afirmou.

    Nesse momento, os sócios presentes aplaudiram efusivamente e se levantaram todos emocionados. Alguns mais exaltados xingaram o ex-presidente Maurício Assumpção. “Ladrão”, bradou um conselheiro, que foi chamado atenção.


  • CHARLANDO E CHARLIANDO NO CARNAVAL…

    A marchinha de Roberto Faissal e João Roberto Kelly, Cabeleira do Zezé – sempre sucesso desde o carnaval de 1964 com o cantor Jorge Goulart -, foi a primeira ‘tiração de onda’ e referência ao profeta do Islã durante o reinado de Momo. Evoé! Contudo, até agora, nesta “Pátria Educadora”, nenhuma cabeça rolou por causa da pegação de ar dos jihadistas. Já nesse carnaval que se avizinha é bom abrir o olho com essa marchinha boba e politicamente incorreta, pois pode vir chumbo grosso por parte de bossanovistas, transviados e islamitas babando raiva de cachorro doido. Ah… a turma do “Zezé”, desta feita, pode queimar ruim também. Portanto fiquem espertos, pois as ‘patrulhas’ estão na ronda, como a mulher ciumenta e vingativa, personagem da música de Paulo Vanzolini…

     

    CABELEIRA DO ZEZÉ

    Olha a cabeleira do Zezé
    Será que ele é,
    Será que ele é.

    Olha a cabeleira do Zezé
    Será que ele é,
    Será que ele é.

    Será que ele é bossa nova
    Será que ele é Maomé
    Parece que é transviado
    Mas isso eu não sei se ele é.

    Corta o cabelo dele!
    Corta o cabelo dele!
    Corta o cabelo dele!
    Corta o cabelo dele!


  • VIVA O HUMOR!


    DA REDAÇÃO DO SDV – O atentado terrorista na manhã desta quarta-feira (7) à sede da revista
    Charlie Hebdo” é o mais mortal na França em 54 anos, segundo levantamento do jornal “Le Monde”. Doze pessoas morreram, entre elas oito jornalistas. Outras 11 pessoas ficaram feridas, quatro estão em estado grave. A revista semanal francesa já publicou ilustrações satíricas sobre vários líderes muçulmanos e foi ameaçada por divulgar caricaturas de Maomé há três anos. No Brasil, a revista VEJA que abra o olho, principalmente após depredações durante o período eleitoral praticadas na sede da revista por militantes ligados a um determinado partido político, cujos seguidores agem e se comportam como sectários religiosos, intolerantes à crítica, adeptos que são do pensamento único, típico do Islão: “O Único Deus é Lullah e Sua profetA é Dilma Roussééé”.