• SININHO E OS MENINOS PERDIDOS DA TERRA DO NUNCA

    A fada Sininho, Tilin-Tim ou Tinker Bell (nome original) foi criada por James Matthew Barrie e apresentada em sua peça Peter and Wendy, em 1904. É de personalidade travessa e irritadiça, mas leal companheira do líder dos Meninos Perdidos da Terra do Nunca. A personagem fez sua primeira aparição no filme Peter Pan, da Walt Disney Animation Studios, no ano de 1953. Após esse filme animado, Sininho se converteu em figura representativa da The Walt Disney Company.

    Quanto a “Sininho” brasileira, a ativista Elisa Quadros Pinto Sanzi (foto), ligada aos Black Blocs, virou ícone dos chamados movimentos sociais e um bom prato midiático para Peter Pan nenhum rejeitar ou botar defeito, como na imagem em GIF logo acima. E foi justamente o que aconteceu nos bastidores do ‘movimento’. Agora, a turma do Capitão Gancho está de olho grande na baixinha e também no “pó de pirlimpimpim” da moça!

     

                        TRAIÇÃO AMOROSA DE ATIVISTAS AJUDOU NA INVESTIGAÇÃO

    UOL / ESTADÃO (RIO) – Uma traição amorosa na cúpula da organização rotulada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público de quadrilha armada ajudou os investigadores a apurar como agia o grupo responsabilizado pelo comando dos protestos violentos que ocorreram no Rio a partir de junho de 2013.

    Líder dos manifestantes, Elisa Quadros Pinto Sanzi, a Sininho, é acusada em depoimento de ter roubado o companheiro da ativista Anne Josephine Louise Marie Rosencrantz. Em represália, a traída traiu: relatou à polícia as articulações e os atos praticados pelos mascarados, como a tentativa de incendiar a Câmara de Vereadores.

    O depoimento da estudante Anne Josephine, 21 anos, foi prestado na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática em 11 de junho deste ano, na condição de testemunha. Ela contou manter relacionamento antigo com Luiz Carlos Rendeiro Júnior, o Game Over, de 25, indiciado que teve a ordem de prisão revogada pela Justiça anteontem. O casal tem um filho de dois anos.

    Desde o ano passado Game Over namora Sininho. Quando ela foi presa em flagrante em outubro, acusada por depredações, o rapaz apareceu, em fotografias, abraçando-a. Sininho, chorosa, estava em um ônibus cheio de detidos. Colocou a cabeça e os braços para fora, agarrando-se ao namorado. Ele, do lado de fora, parecia tentar consolá-la.

    A divulgação da imagem incomodou Anne Josephine, que contou ter ouvido de Sininho a confirmação do romance com Game Over. “Sininho diz que ela e Game Over tinham um romance revolucionário”, declarou a depoente.

    O antagonismo entre Sininho e Anne Josephine acirrou-se no decorrer das manifestações. A estudante contou no depoimento que a rival costumava criticá-la. “Quando começou a frequentar os protestos, Sininho disse que a declarante deveria respeitar a hierarquia do movimento, que teria que conquistar seu espaço e não aproveitar de ser esposa de Game Over”, informa a transcrição do depoimento anexado ao volume três do inquérito policial.

    Anne Josephine contou à polícia que parte dos manifestantes, entre eles Game Over, impediu que Sininho consumasse o plano de atear fogo ao prédio da Câmara, na Cinelândia (centro do Rio), na noite de 7 de outubro passado.

    “Na época em que começaram os atos violentos nos protestos, a declarante viu Sininho mandando manifestantes buscar três galões de gasolina. (…) Viu Sininho subindo a escada da Câmara e alguns manifestantes atrás dela carregando os três galões, de aproximadamente dez litros de gasolina. Alguns manifestantes comentaram que a atitude de Sininho poderia fazer com que eles fossem presos, que isso não havia sido combinado pelos manifestantes.”

    A depoente disse à polícia que “os galões de gasolina seriam utilizados para incendiar a Câmara” e que “Game Over e outros manifestantes ficaram contra Sininho e mandaram retirar os galões.” Ao final do depoimento, Anne Josephine detalha as funções e o comportamento dos manifestantes apontados pela Polícia Civil como líderes da organização. Afirma ainda ter presenciado o consumo de drogas, como cocaína, pelos membros do grupo.


  • SEMPRE ‘ACOLEADOS’ COM O LADO DO ATRASO

     

      ISRAEL REJEITA CRÍTICA DO BRASIL A AÇÃO EM GAZA E DIZ QUE PAÍS É ‘IRRELEVANTE’

    FOLHA DE S. PAULO / Diogo Bercito (enviado especial a Gaza); Natuza Nery (de Brasília) e Carolina Linhares (de São Paulo) – O governo de Israel reagiu duramente nesta quinta-feira (24) às críticas feitas pelo Brasil à operação militar na faixa de Gaza.

    À Folha, a Chancelaria de Israel afirmou que o “comportamento” do Brasil “ilustra a razão por que esse gigante econômico e cultural permanece politicamente irrelevante”. Além disso, o governo disse que o país escolhe “ser parte do problema, em vez de integrar a solução”.

    O “comportamento” ao qual Tel Aviv se refere é um comunicado distribuído na noite desta quarta (23) em que o Itamaraty condena o “uso desproporcional da força” por parte de Israel e não faz referência às agressões de palestinos contra israelenses.

    No dia 17, comunicado similar afirmava condenar “igualmente” os bombardeios israelenses e os ataques de Gaza. Daquela vez, o Brasil também expressava “solidariedade” com vítimas “na Palestina e em Israel”. Agora, fala somente no “elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças” deixado pelos ataques israelenses.

    Também nesta quarta, o governo brasileiro chamou o embaixador de Israel em Brasília, Rafael Eldad, para expressar seu protesto, e convocou o embaixador brasileiro em Tel Aviv, Henrique Pinto, de volta a Brasília. Na linguagem diplomática, o protesto feito a Eldad e a convocação de Pinto são sinais fortes de desagrado.

    Em seu site, a diplomacia israelense acusou o Brasil de “impulsionar o terrorismo” e afirmou que isso, “naturalmente”, afeta a “capacidade do Brasil de impulsionar influência”.

    Na nota, Israel se diz “decepcionado” com a convocação do embaixador brasileiro e observa que a atitude “não reflete” o nível das relações bilaterais, além de “ignorar o direito de Israel de se defender”. “Israel espera apoio de seus amigos em sua luta contra o Hamas, reconhecido como uma organização terroristas por muitos países”, afirma.

    Horas após a forte reação israelense, o chanceler brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo, minimizou a crise, dizendo que a “discordância entre países amigos é natural”. Em visita a São Paulo, ele disse que o comunicado do Itamaraty nesta quarta –e que contou com aval da presidente, segundo a Folha apurou – não apaga as críticas feitas anteriormente ao Hamas só porque não as menciona. Ele afirmou ter escrito o texto.

    “O gesto que tinha que ser feito foi feito. O Brasil entende o direito de Israel de se defender, mas não está contente com a morte de mulheres e crianças”, explicou.

    Sobre a crítica de Israel, Figueiredo disse que o Brasil não é um “anão diplomático” por ter relações com todos os países da ONU.

    Fontes ouvidas pela Folha afirmam que o Itamaraty e o Palácio do Planalto ainda estudam a melhor reação para um comentário considerado “tão duro”. Se, de um lado, alguns diplomatas brasileiros alertam para que não se “bata boca” com Tel Aviv, outros analisam ser necessário uma resposta enérgica da própria presidente da República para responder a crítica à altura.

    GAZA

    Em Gaza, o gesto brasileiro foi recebido com festa. Palestinos se aproximaram da reportagem da Folha para expressar gratidão ao governo Dilma Rousseff. “Obrigado por convocar seu embaixador”, disse Tawfiq Abu Jamaa, em Khan Yunis. “O Brasil é melhor do que os países árabes, como o Egito, que não fazem nada.” Outro palestino, Sabri Abu Jamaa, disse que “a população civil, em Gaza, não precisa de recursos. Precisa de palavras de apoio, como as brasileiras”.

    O porta-voz do Hamas Ihab al-Ghussein confirmou à Folha, em Gaza, ver com bons olhos o gesto diplomático brasileiro. “O passo do Brasil é muito importante. O Brasil está sempre ao lado da justiça”, disse. “Pedimos que todos os países façam o mesmo.”

    A facção palestina Fatah, que controla a Cisjordânia, louvou também a atitude do Itamaraty, mas fez ressalvas à abrangência da medida. “O Brasil entende que a responsabilidade da comunidade internacional não é apenas emitir notas”, afirmou o porta-voz Xavier Abu Eid. “O que foi feito pelo Brasil é um de diversos passos que todo Estado deveria tomar.”

    Desde que a operação israelense batizada Margem Protetora começou, no último dia 8, mais de 700 palestinos – na maioria civis- foram mortos. Do lado israelense, foram 32 militares e três civis, sendo um cidadão tailandês. O intuito da operação é desmantelar o movimento radical islâmico Hamas, que governa Gaza.


  • O PAPA CHICO E O FILME DE PASOLINI

     

                         VATICANO REABILITA FILME DE PASOLINI SOBRE VIDA DE JESUS

    Diario de Pernambuco / Agence France-Presse – O jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, reabilitou nesta semana o filme do irreverente diretor italiano Pier Paolo Pasolini “O Evangelho Segundo São Mateus”, ao afirmar que se trata do melhor filme já feito sobre a vida de Jesus.

    O filme, que estreou há 50 anos, no Festival de Veneza, foi objeto na ocasião de censura por seu estilo “pouco sagrado”, com um Jesus demasiado humano.

    Meio século depois de seu lançamento, o jornal do Vaticano resgata o filme e o resenhista faz uma análise cheia de elogios.

    Para a publicação, se trata de uma das maiores obras-primas do cinema mundial e certamente é “o melhor filme já feito sobre a vida de Jesus”.

    “A humanidade febril e primitiva que o diretor mostra na tela termina por conceder um novo vigor ao verbo cristão, que aparece neste contexto mais atual, concreto e revolucionário”, afirma o texto.

    “O filme fala das periferias geográficas e existenciais”, comentou ainda o diretor do jornal Vaticano, Giovanni Maria Vian, ao compará-lo com um dos princípios do pontificado do primeiro papa da América Latina, Francisco.

    Para Pasolini, ateu, marxista e homossexual e um dos intelectuais italianos mais brilhantes do século XX assassinado aos 53 anos em 1975, “nenhuma palavra poderá alcançar a altura poética do relato bíblico”.

    O filme, que narra a vida de Jesus desde seu nascimento até sua ressurreição, usou como protagonista Enrique Irazoqui, um anarquista espanhol antifranquista, enquanto que a mãe de Pasolini interpretou a Virgem Maria.

    A obra foi digitalizada pela filmoteca do Vaticano, uma verdadeira reparação, tanto física quanto artística.


  • JOÃO UBALDO TIRANDO DE LETRA

     

    O escritor João Ubaldo Ribeiro na Ilha de Itaparica (BA), onde manteve residência por muitos anos. João faleceu na data de hoje aos 73 anos, no Rio de Janeiro, vítima de embolia pulmonar.

     


    A ELITE BRANCA

    O GLOBO.COM / Coluna João Ubaldo Ribeiro (06/07/2014)  –  Como já deve ter previsto o pugilo de bravos que me lê com assiduidade, de novo as Parcas me fizeram a grande maldade de marcar para anteontem (tempo de vocês, este domingo) o jogo com a Colômbia, mais uma vez impossibilitando que eu leve o resultado em conta. Eu pelo menos podia ter conversado com a Sociedade Interamericana de Imprensa, a fim de ver se ela pressionava a Fifa para corrigir a grave injustiça e mudava a tabela, mas é tarde. E, se eu houvesse feito a besteira de escrever, como cheguei a pensar, que o jogo tinha sido moleza, como sempre acontecia com o freguês Chile? Teria quebrado a cara, como quase quebro no boteco, quando pulei na hora em que, já no fim da prorrogação, o Chile botou aquela bola na trave e dei com a testa na tabuleta que anunciava o chope em promoção. Esqueçamos, esqueçamos.

    O jeito é voltar-me para os últimos acontecimentos extra-Copa. Quase todos eles se relacionam com o edificante espetáculo democrático deste ano de eleições. Lá e cá, por todo o país, como que se ouvem gritinhos pressurosos pululando nos ares — cadê o meu, cadê o meu, tenho que me fazer, tenho que me fazer! — enquanto estadistas e líderes se digladiam no embate inflamado de ideias, planos e projetos de ascensão pessoal e grupal e os partidos se empenham por caracterizar nitidamente suas posições, embora, assistindo-se a seus anúncios na televisão, seja um pouco difícil distinguir identidades e programas próprios. Todos eles pregam a justiça social, o combate à exclusão, os investimentos em saúde, educação, segurança, coisas com as quais, de tão vagas, qualquer um concorda. Nenhum deles mostra como e o que fará para avançar nesses campos. Isto fica para depois e, pelo visto, sempre ficará.

    Cada vez mais abusadas, algumas palavras perderam o sentido. Quase ninguém é capaz de fazer uma distinção teórica, ou abstrata, entre esquerda e direita políticas e, por exemplo, o ex-presidente Lula as emprega para lá e para cá, conforme a necessidade do momento. Ou seja, direita, assim como esquerda, é o que convém. Nega que seja de esquerda e em seguida vocifera contra manobras da direita, como se fosse um porta-voz da esquerda continental. Aliás, é interessante essa conversa de direita e esquerda, considerando-se que Lula é ex-aluno (isto mesmo) da Universidade Johns Hopkins (isto mesmo, universidade), venerável, prestigiosa e cara instituição de ensino americana, onde estudou (isto mesmo) no começo da década de setenta e quem sabe recebeu (não tenho certeza, mas creio que sim) um diplomazinho, ou certificado, que teria precedido o diploma de presidente, o qual bem depois lhe foi conferido, ocasião em que ele proclamou que o primeiro diploma que o operário sem estudo e filho de mãe analfabeta recebia na vida era o de presidente da República. Eu, se tivesse tido até mesmo umas duas parcas semaninhas de seminário na Johns Hopkins, me gabaria de vez em quando, mas esta vida é assim mesmo, tudo é muito relativo. Talvez ele queira esquecer seu período de estudante em Baltimore. Lá de fato faz muito frio, embora eu tenha lido em algum lugar da internet que ele, como sempre simpático, descontraído e boa-praça, fez sucesso e deixou muitos amigos e admiradores. Pode ser que não queira encher a bola da AFL-CIO, poderosa organização sindical americana sob cujos auspícios estudou na Johns Hopkins e, antes, em São Paulo mesmo. O homem não é só doutor honoris causa, não, tem outras láureas acadêmicas, conquistadas nos bancos escolares, de que ele, na sua proverbial modéstia, não fala.

    Outra palavra que já merece uma pesquisa semântica é “elite”. Lula também faz embaixadinhas com ela a torto e a direito e é preciso estar atento. Assim mesmo, é difícil entendê-la, a começar pela circunstância de que, desde a época em que foi chamado como promissor talento para a temporada universitária patrocinada pela AFL-CIO, formadora de quadros sindicais presente, respeitada e temida em todo o mundo, ele é elite. Foi elite dos sindicalistas, é elite do partido que está no poder, exerceu o posto mais alto da elite governante, num país onde o presidente da República é um monarca tratado com subserviência e vassalagem, viaja esplendidamente para palestras e lobbying, come do bom, bebe do melhor, é amigo pessoal e companheiro de lazer de ricos e poderosos, se trata nos mais respeitados hospitais com os mais renomados médicos, não entra em filas, não pega transporte público, não paga aluguel de casa nem prestação de carro, não se aporrinha com providências do cotidiano, não tem preocupação com o futuro, ganha mais do que todos os professores do primeiro grau da rede pública do Maranhão juntos, manda para lá, desmanda para lá e, ainda por cima, é cultuado por grande parte do povo. Então, ele não é elite? De que mais se precisa para ser elite?

    Uma aparente novidade não altera a situação dele e até a faz mais difícil de compreender. Trata-se da expressão “elite branca”. Se bem me lembro — e até conferi nuns clipes que guardo no computador — Lula tinha o cabelo bem crespo, antes de sua completa ascensão política. Como sua pele não é alva, poderia talvez, por causa do cabelo, ter sido considerado pardo ou, como se dizia antigamente, mulato. Ou até negro, pelos critérios americanos que agradam a tantos. Mas hoje, como o nome de Conceição, o cabelo dele mudou. Alguém que nunca o tivesse visto antes, nem em fotografia, tê-lo-ia na conta de branco de nascença. Branco latino-americano, hispânico para os americanos, mas, em última análise, branco. Por conseguinte, ele não apenas pertence a várias elites, como pertence à elite branca, ele ficou branco. De resto, elite branca mesmo, no Brasil, só as famílias mais prósperas das comunidades de origem europeia, no Sul. Vai ver que elas acham que die Eschculambazionen foi longe demais e vão chamar dona Angela Merkel para derrubar o PT.


  • “E O REVERSO DA MEDALHA É O FUTURO SEM RAZÃO” (*)

    Acompanham o ‘sucesso’ de tais perspectivas ufanas, capitais como Manaus, Cuiabá, Natal…

     

                     GOVERNO DO DF ESTUDA PRIVATIZAR O ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA

    FOLHA DE S. PAULO / Filipe Coutinho (Brasília) – Depois de investir mais de R$ 1,4 bilhão do próprio caixa para levantar o estádio Mané Garrincha, o governo do Distrito Federal estuda privatizar a arena mais cara da Copa do Mundo de 2014.

    A discussão sobre a privatização está avançada no governo e será retomada agora, com o fim do Mundial.

    “Serão levados adiante os estudos para a realização de uma licitação internacional destinada a transferir a administração do estádio”, diz o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT).

    Criticado pela oposição devido ao custo do estádio, o petista é otimista. “É importante destacar, também, que o Mané Garrincha vem sendo considerado o melhor estádio da Copa”, afirma.

    O antigo Mané recebeu, em 36 anos de história, um público total de 340 mil pessoas.

    O novo estádio já recebeu mais de 1 milhão de espectadores desde a reinauguração, em maio de 2013, e gerou arrecadação de R$ 3,2 milhões, enquanto as despesas com energia e água somaram cerca de R$ 1,5 milhão.

    Como o pós-Copa coincide com a eleição, a licitação depende do impacto político e de quem vencer o pleito.

    PRIVATIZAÇÃO

    Segundo o secretário da Copa no DF, Cláudio Monteiro, a discussão sobre privatizar o Mané começou ainda com o estádio em construção, e diversos empresários se mostraram interessados.

    Ele critica os que têm “má vontade” e diz que a Copa valorizou o Mané Garrincha.

    O secretário também disse à Folha que os pedidos para fazer eventos na arena superam as datas disponíveis.

    Já estão previstos seis jogos do Campeonato Brasileiro, um campeonato internacional de futebol feminino, dois shows com capacidade para lotar o estádio e um evento ligado a uma franquia americana de desenhos.

    “Tem quem seja ‘daltônico’, que troca o dourado pelo branco, e é esse quem acha que o estádio é um ‘elefante branco'”, afirma Monteiro.

     

    Nota de SDV ( * ): verso de ‘Plano Piloto’, composição de Carlos Fernando e Alceu Valença, com Alceu e ‘seu’ Luiz Gonzaga Rei do Baião.


  • INOCENTES… NEM IMAGINAVAM O PIOR NA ‘COPA DAS COPAS!’


    Que a alma do goleiro brasileiro Barbosa descanse em paz para sempre. Ontem, 08 de julho de 2014, o ‘Minerazo’ redimiu sua culpa por um mísero gol sofrido aos 34 minutos do 2º tempo, quando o jogo estava empatado em 1 x 1, na final da copa de 1950 entre Brasil e Uruguai. O evento ficou conhecido no mundo inteiro como “Maracanazo” e Barbosa foi estigmatizado até seus últimos dias de vida. Com o oba-oba generalizado da época (que tinha muito mais razão de ser) resolveram eleger um culpado. Claro que sobrou para o goleiro negro da seleção. Mas agora, após a remissão de Barbosa, acham que a culpa é do lider dos Rolling Stones, cujo nome completo é Michael PHILIP Jagger. Ou seja, um outro “Felipão” dos infernos!  (GM)


  • “É TOIS, BRASIL!”

                    Caricatura sem o devido crédito do autor no blog olhoabertopr.blogspot.com.br

     

    DILMA DIZ QUE ENTREGARÁ A TAÇA PARA CAMPEÃO E MANDA UM ‘É TOIS’ PARA NEYMAR

    UOL / Aiuri Rebello (Brasília) – A presidente Dilma Rousseff confirmou na manhã desta segunda-feira (7) que irá entregar a taça para o campeão da Copa no próximo domingo (13). “Vou entregar a taça no domingo, e torço para que seja para o Brasil”, afirmou a presidente através da página do Palácio do Planalto no Facebook, em resposta a um internauta. Dilma participou de um bate-papo com internautas na rede social nesta manhã. O assunto é a Copa do Mundo.

    “Bom dia! Estou aqui para conversar com vocês sobre a nossa #CopaDasCopas, que está sendo um sucesso dentro e fora dos gramados. Enviem suas perguntas no campo de comentários desta foto”, afirmou a presidente na página às 11h36, quando começou o “face to face”, como este tipo de encontro virtual com internautas é conhecido.

    Até agora, a presidente compareceu a apenas uma partida da Copa, a abertura no Itaquerão, em São Paulo, com a vitória da seleção brasileira sobre a croata por três a um no dia 12 de junho. Na ocasião, a presidente foi vaiada e xingada em coro por parte dos torcedores presentes, e se manteve afastada das arenas do Mundial desde então.

    Questionada diversas vezes sobre a questão, a presidente respondeu apenas uma vez, a um internauta que questionava se ela tinha receio de “passar por um constrangimento” na final, igual aconteceu na abertura. “São ossos do ofício”, respondeu a presidente laconicamente.

    Questionada sobre um palpite sobre o placar do jogo nesta terça-feira (8) entre a seleção brasileira e a alemã pelas semifinais da Copa, a presidente preferiu não arriscar. “Só quero ganhar. Na vitória, qualquer placar serve”.

    Em menos de 20 minutos, a presidente já havia recebido cerca de 320 perguntas. Quando o bate-papo foi encerrado, às 12h40, eram 1.587 perguntas. Destas, cerca de 25 foram respondidas na cerca de uma hora que durou o bate-papo. Dilma falou sobre futebol, seleção brasileira, Copa e obras de infraestrutura.

    “Veja você, Israel, antes falavam que não ia ter Copa. Agora, muita gente boa quer mais Copa. Tudo com gosto de quero mais”, disse a presidente em resposta a outro internauta, que dizia estar triste com a aproximação do fim do Mundial. “Belezura mesmo, Azar dos urubus”, arrematou ao comentar outra pergunta, que afirmava que a Copa está uma “belezura”.

    Neymar

    Dilma voltou a falar sobre a contusão que tirou o camisa 10 da seleção brasileira da Copa. No final de semana, a presidente já havia enviado mensagens de apoio a Neymar pelo Twitter e uma carta para os jogadores na Granja Comary. ” “A dor do Neymar ao ser atingido feriu o coração de todos os brasileiros. O Neymar está aí, mesmo ferido, querendo jogar. É um guerreiro. O exemplo de resistência do Neymar vai fortalecer a Seleção. Fazê-la se superar”.

    “É TOIS”, postou a presidente simultaneamente no Twitter para Neymar, junto com uma foto onde ela faz o símbolo do “T” com os braços, em referência à expressão utilizada pelo jogador. A expressão seira algo como “É nóis”, e faz uma brincadeira com a palavra “tois”, “nós” em catalão, em referência à Catalunha, na Espanha, onde o craque joga no Barcelona.

    “A dor do Neymar ao ser atingido feriu o coração de todos os brasileiros. O Neymar está aí, mesmo ferido, querendo jogar. É um guerreiro. O exemplo de resistência do Neymar vai fortalecer a Seleção. Fazê-la se superar”, afirmou Dilma em resposta a outro internauta.

    Gol mais bonito

    A presidente ainda aproveitou a ocasião para eleger o gol mais bonito da seleção e da Copa, em sua opinião: o de David Luiz, na vitória sobre a Colômbia por dois a um nas quartas, e o do holandês Van Persie, na goleada por cinco a um sobre a Espanha ainda na fase de grupos.


  • SELEÇÃO EM CRISE? QUE CRISE? VAMOS LEVANTAR O CANECO!



     SELEÇÃO BRASILEIRA ESTÁ EM CRISE, SIM. E O PROBLEMA NÃO ESTÁ SÓ EM CAMPO

    UOL / Gustavo Franceschini e Ricardo Perrone (Fortaleza) – A seleção brasileira não convenceu e não chega às quartas de final com a força que poderia. Pressionada pelo mau desempenho, com problemas físicos, abalada emocionalmente e envolvida em confusões extracampo, a equipe está em crise. Veja, nos itens abaixo, todos os problemas que incomodarão o Brasil até a próxima sexta, dia do duelo decisivo contra a Colômbia, em Fortaleza.

    Problemas em campo

    Sim, a crise não está só dentro do gramado, mas também está nele. O Brasil de Felipão é o que menos venceu em Copas do Mundo desde que o atual formato foi adotado. Dos oitos times que estão nas quartas, só a Costa Rica soma dois tropeços na competição: empates contra Inglaterra, na primeira fase, e Grécia, nas oitavas.

    É bastante para um time que se apresentava como favorito no início da competição. O Brasil da Copa do Mundo erra muitos passes – tem o terceiro pior aproveitamento entre os classificados para as quartas (74%), depende muito de Neymar – autor de mais da metade dos gols do time – e tem vários jogadores em má fase.

    Felipão tem tido dificuldade com seu banco de reserva. As opções que ele usou não deram conta do recado até agora e o técnico precisa, o tempo inteiro, voltar ao ponto em que parou há um ano, quando conquistou a Copa das Confederações. Além disso, o técnico vê alguns de seus titulares absolutos, como Fred, Oscar e Paulinho, caírem de produção – o último sequer tem vaga garantida no time.

    O drama do último jogo exemplifica toda essa dificuldade. Depois de um início promissor, o Brasil passou dificuldades contra o Chile e esteve a centímetros de sair da Copa do Mundo dando vexame, quando a bola de Mauricio Pinilla bateu na trave a poucos minutos do fim da prorrogação.

    Agora, nas quartas, o Brasil enfrenta um time que só venceu até agora, e sempre jogando bem. James Rodriguez, camisa 10 e grande estrela da Colômbia, é o artilheiro da Copa e lidera o segundo melhor ataque da competição, com 11 gols em quatro partidas.

    Problemas físicos

    A seleção brasileira não está na ponta dos cascos desde que se apresentou para Felipão no fim de maio, mas depois da partida contra o Chile a questão ganhou maior importância, principalmente por conta de Neymar. O camisa 10 saiu de campo com dores na coxa esquerda e no joelho direito, fez tratamento especial na folga e virou uma preocupação.

    Na última terça, Neymar apareceu no gramado com os companheiros, embora não tenha trabalhado com bola. No banco de reservas, foi possível perceber que o camisa 10 usava uma faixa de proteção no joelho direito. A previsão é de que o atacante fique à base de analgésicos, fisioterapia e eletro-estimulantes até a partida contra a Colômbia.

    Além dele, David Luiz é um problema. O zagueiro sentiu uma contratura muscular nas costas e quase não jogou contra o Chile. No sacrifício, contou que as dores limitavam bastante os seus movimentos. Fernandinho, por último, saiu de campo nas oitavas com câimbras e não deve ser um problema, mas também inspira cuidados.

    Problema emocional

    A imagem de Thiago Silva sentado sobre uma bola, afastado dos companheiros, com os olhos marejados, assustou. O choro do zagueiro, que foi acompanhado por boa parte do time depois da vitória, motivou questionamentos sobre o preparo emocional da seleção brasileira.

    Felipão também mostrou preocupação e convocou a psicóloga Regina Brandão. Em seu blog no UOL Esporte, Juca Kfouri escreveu que o técnico pretende cuidar da “cabeça” dos jogadores até o jogo contra a Colômbia. O treinador transmitiu suas impressões sobre o atual momento a seis jornalistas na última segunda, na Granja Comary.

    Problema para o técnico

    Na conversa com os jornalistas, Felipão mostrou que está mais preocupado do que parece. Além da questão emocional, ele também repensa suas escolhas. Em uma reportagem na Folha de S. Paulo, Juca Kfouri escreveu que o treinador faria, se pudesse uma mudança entre os 23 convocados.

    A declaração tem peso em um ambiente delicado como o da seleção brasileira. Felipão mostra ao grupo que não está tão satisfeito assim com as opções que tem em mãos. Em entrevista ao Sportv, o treinador ainda avisou que deve mudar o time, cogitando a opção de escalar o Brasil com três zagueiros.

    Problemas extracampo

    Fora de campo, a rotina da seleção também está agitada. Contra o Chile, uma troca de tapas no vestiário durante o intervalo virou caso para a Fifa. Rodrigo Paiva, assessor de imprensa da CBF que teria agredido o atacante Mauricio Pinilla, foi suspenso preventivamente por uma partida.

    Além dele, Fred pode entrar na mira da Fifa. A briga que terminou no vestiário começou no gramado, em uma discussão do atacante com o zagueiro Gary Medel. Irritado, o camisa 9 do Brasil deu um tapa no adversário, que pode ser analisado e punido pela entidade.