• EMBOLADA DO CARRETEL

     

     

    Na escala dos dias incólumes
    Degredado no meu carretel
    Embolando ele grita ‘me enrole’
    Nessa trama de arranha-céus.

    Mas no fundo do poço de novo
    O suspiro que um dia caiu
    Na cabeça a cartola do povo
    Com seu fraque, Mandrake sumiu.


    Graco Medeiros
    Poema dedicado a Alcione mais eu!


  • “CRÔNICA DE UM MURRO ANUNCIADO” (*)

    ( * ) Fotos de Gabriel García Márquez com hematomas no rosto (nariz e olho esquerdo) provocado por um ‘derechazo’ desferido pelo então amigo Mario Vargas Llosa, em 12 de fevereiro de 1976. O registro é do fotógrafo mexicano Rodrigo Moya, dois dias após o referido incidente, a pedido do próprio ‘Gabo’, que foi até ao estúdio de Moya para este fim. A foto ficou inédita até o ano de 2007, quando o diário La Jornada de Méjico, durante a celebração dos 80 anos de Gabriel García Márquez e dos 40 anos de sua obra prima, Cem Anos de Solidão. Um crítico literário e periodista francês se referiu às fotos reveladas como “Trinta Anos de Solidão”, ironizando o espaço de tempo em que ficaram ocultas.

     

    SOCO EM CINEMA ENCERROU AMIZADE DE GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ E MARIO VARGAS LLOSA

    ÚLTIMO SEGUNDO / IG SÃO PAULO – A lista de rivalidades famosas da literatura mundial inclui Norman Mailer e Gore Vidal, Vladimir Nabokov e Edmund Wilson, e também Gabriel García Márquez e Mario Vargas Llosa.

    Os dois escritores latino-americanos viram uma longa amizade acabar em um briga em um cinema da Cidade do México, em 1976.
    García Márques, colombiano que morreu nesta quinta-feira (17), aos 87 anos, levou um soco de Vargas Llosa, peruano que hoje tem 78 anos. Amigos desde os anos 1960, eles nunca mais teriam se falado depois da briga.

    Durante muito tempo poucos detalhes foram conhecidos sobre o ocorrido. Mas, em 2007, o jornal mexicano “La Jornada” publicou uma edição comemorativa dos 80 anos de García Márquez colocando na capa uma imagem do escritor com um olho roxo.

    A foto foi tirada dois dias depois da briga, segundo contou, em artigo, o autor da imagem, o fotógrafo Rodrigo Moya. Segundo ele, Márquez estava em um cinema lotado na Cidade do México quando viu Llosa se aproximar. Tentou abraçá-lo, mas levou um soco do peruano.

    A razão da briga teria sido a mulher de Llosa, Patricia. Os dois estavam tendo problemas no casamento, supostamente porque o autor se apaixonara por uma sueca.

    Patricia teria procurado Márquez e sido aconselhada por ele a pedir o divórcio. Não se sabe se algo mais teria acontecido entre os dois, mas, depois, Patricia e Llosa reataram.

    Especula-se também que questões políticas tenham tido algum papel, já que Márquez era muito ligado à esquerda e Llosa na época começava a se alinhar um pouco mais à direita.

    Moya contou que, apesar de García Márquez estar sorrindo na foto do “La Jornada”, foi difícil tirar uma boa foto do escritor naquele dia. “Tenho algumas imagens em que ele parece ter apanhado da polícia do México.”


  • PUXADINHA NO TAPETE…

     

                       PLANALTO AGE PARA ESTANCAR QUEDA E EVITAR ‘VOLTA, LULA’

    FOLHA DE S. PAULO / Natuza Nery e Valdo Cruz (Brasília) – A queda nas intenções de voto da presidente Dilma vai realimentar o movimento pelo retorno do ex-presidente Lula à cédula eleitoral de 2014. A dúvida entre aliados dos dois é se o petista terá disposição de assumir a empreitada a depender do prazo de uma eventual troca.

    Segundo a Folha apurou com auxiliares petistas, o que poderia fazer o “volta, Lula” se materializar no curto prazo seria uma decisão que partisse da própria Dilma – movimento que ninguém acredita que vá acontecer.

    Ontem, após avaliação interna da pesquisa, o Palácio do Planalto definiu um plano de reação. A ordem é “virar a agenda do governo, pacificar o Congresso, acabar com qualquer tipo de CPI da Petrobras, fazer a presidente viajar mais e colocar os ministros para defenderem a administração Dilma”.

    O ponto principal da virada é a inflação. É o tema que mais preocupa o governo neste momento e de “solução nada simples”, mas que precisa ser enfrentado. Este roteiro, avaliam assessores, é essencial para não só estancar a queda nas pesquisas, mas também abafar o coro do “volta, Lula”.

    Entre os aliados do ex-presidente, o temor é perder o “timing” da troca. Dilma pode continuar em queda, mas em ritmo lento, chegando a um patamar de risco apenas depois da Copa. Neste caso, Lula pode avaliar que até sua candidatura correria risco.

    A campanha velada pela substituição da petista pelo padrinho nas eleições deste ano surgiu no empresariado em 2012. Logo conquistou correntes do PT, atingiu o mundo político e hoje já movimenta análises e negócios do mercado financeiro.

    Durante o fim de semana, após a divulgação dos resultados do Datafolha, analistas já apostavam que a Bolsa abriria em alta hoje. Entre interlocutores de Lula, a avaliação é que Dilma precisa se livrar da agenda negativa que dominou o governo nas últimas semanas e, principalmente, mudar o sentimento da população de que a inflação vai seguir em alta.

    Segundo estes auxiliares, a reação do governo tem de ocorrer antes da Copa, período de grande imprevisibilidade sobre o impacto do evento na popularidade de Dilma. Correligionários da presidente apostam em manutenção da trajetória de queda nas intenções de voto, mas em ritmo lento e dentro da margem de erro. Ela voltaria a se recuperar em agosto, com a largada da campanha na televisão.

    Esse cenário não chancelaria a troca de nomes. “A queda da presidente na pesquisa não serve para quem diz que ela já ganhou no primeiro turno e não serve para quem diz que ela perderia a eleição”, avalia o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

    Setores do partido, porém, já definiram um “piso psicológico” para alterar o tabuleiro da eleição. Se Dilma cair para cerca de 30% das intenções de voto, a pressão pela troca aumentará.


  • “PLANTE QUE O GOVERNO GARANTE” (*)

     

    A LOMBRA DOS FARISEUS

    Ao contrário do poema em linha reta, de Pessoa
    todo mundo que conheço diz que ‘já fumou’, numa boa.

    Uns, que tragou e não lombrou, que fumou e não gostou.

    Tudo pinta de armário, que de dentro nunca sai.
    Agora, como em Pasárgada, vão morar no Uruguai!


    (GM)

     

    Nota do SDV ( * ): slogan do início da década de oitenta, quando o governo do então presidente João Batista Figueiredo lançou um estímulo ao plantio de trigo, com o lema “Plante que o João Garante”, incentivando os produtores rurais a plantar uma grande safra de trigo. Será que José Mujica, desde o tempo dos ‘Tupamaros’ (um dos grupos guerrilheiros do Uruguai), baseado num baseado, resolveu ‘subverter’ a proposta do milico mais ‘light’ da ditadura brasileira?


  • A UM SANTO POETA…

    Papa Francisco assina decreto que torna santo o padre José de Anchieta (UOL / G1)

     

     

    INVOCAÇÃO

    Vem, Anchieta
    Riscar na areia!

    Vinde a mim
    Musas do desconhecido
    Sereias da beira do mar
    E escrevam poemas esquecidos
    Que as ondas hão de apagar.


    (Graco Medeiros)