• THE RAVEN DE REPENTISTA

                    Foto de Christopher Jennings

     


    Urubu para voar

    Só quer que o vento lhe ajude
    Penas pretas, pés cinzentos
    Bico torto, cheio de grude
    Come podre, bebe sujo
    Vive muito e tem saúde.

     

    Nota do SDV: sextilha fantástica de Diniz Vitorino, em cantoria com Heleno Severino, exímios repentistas já falecidos.
    Obs: alusão a ‘The Raven’ (O Corvo), poema de Edgar Allan Poe.


  • A PELEJA DE ZÉ DIRCEU COM ROBERTO JEFFERSON

    Escrevi o ‘martelo agalopado’ que se segue durante as confrontações do governo Lula com a oposição em pleno escândalo do “Mensalão” (2005). E lá se vão quase oito anos quando tudo vem à baila outra vez. E aí, vai dar pizza ou punição para Ali Babá e os 40 ladrões do maior esquema de corrupção da história da república?

     

    I – (Zé Dirceu)

    Muita gente ainda tem lembrança
    Do governo de Collor de Mello,
    O Roberto não era assim magrelo,
    Exibia a sua grande pança.
    Passaram a mão na poupança
    De viúva e de aposentado
    E depois que Collor foi cassado
    O safado mudou de visual
    Pra tentar enganar o pessoal,
    Vejam como ele é dissimulado.

    II(Roberto Jefferson)

    Você foi o fracasso de Ibiúna,
    Na verdade, uma grande palhaçada,
    Um fiasco pra toda estudantada,
    Pois os "homi" meteram a borduna.
    Foi pra Cuba se formar em "comuna",
    Esticou toda pelanca do rosto,
    Pra família você foi um desgosto,
    Não sabia da sua identidade,
    Pra quem sempre viveu na falsidade,
    Deve ter sonegado muito imposto.

    III(Zé Dirceu)

    Colorido, safado e sacripanta,
    Você gosta de canto, ópera-bufa
    Mas seu peito comigo não estufa,
    Onde eu estiver você não canta.
    Seu estilo também não me espanta,
    Ele é feito de muita encenação,
    Quando me libertaram da prisão
    Fui pra Cuba virar um guerrilheiro,
    Eu não tenho medo de trambiqueiro
    Nem de quem tem a fama de ladrão.

    IV(Roberto Jefferson)

    Acho bom que você tenha cuidado,
    Observe o terreno onde pisa,
    Pois você já perdeu sua divisa
    E deixou o governo humilhado.
    Quando eu terminar o meu recado,
    Tocar fogo de vez no buscapé,
    Genuíno se engasga com café
    Se eu falar no "Sombra" e Waldomiro,
    Imagine o estrondo desse tiro
    Quando a bomba explodir em Santo André.

    V(Zé Dirceu)

    Ninguém dá mais nenhuma confiança,
    Nos Correios você tá enrolado,
    Seu mandato vai ser mesmo cassado
    Pois ninguém é mais besta, nem criança.
    Nunca mais você vai fazer lambança,
    Atacar a moral de mais ninguém,
    E não vai desviar um só vintém,
    O governo de Lula é honrado,
    Não conheço nenhum cabra safado
    Que abale o prestígio que ele tem.

    VI(Roberto Jefferson)

    Seu governo tem muito parasita
    Segurando cargo de confiança,
    Viajando pra Espanha, pra França
    E enchendo a cara de birita.
    Depois fala da herança maldita,
    Que não rouba e nem deixa roubar,
    Na verdade adora é arrumar
    Mil boquinhas para fumar charuto
    Mas o povo já anda muito puto
    E a resposta vem quando for votar.

    VII(Zé Dirceu)

    Você é componente da quadrilha
    Que detona os cofres do tesouro
    Mas agora vou dá-lhe um estouro
    E botar pra correr toda matilha.
    A polícia já vem na sua trilha,
    Sabe tudo o que você fez errado
    E agora tenta, desesperado,
    Enredar-me também na sua trama,
    Eu não gozo da sua triste fama
    Que você ostentava no passado.

    VIII(Roberto Jefferson)

    Eu não tenho colega Waldomiro,
    Conchambrança com Marcelo Sereno,
    Para o "Sombra" eu nunca fiz aceno,
    O que digo, sustento e não retiro.
    Avisei pro Palocci, para o Ciro,
    Para toda cúpula do PT,
    Até mesmo pra Lula fui dizer:
    No governo tem muita roubalheira,
    Foi por isso que Frei Beto e Gabeira
    Se afastaram das hostes do poder.

    IX(Zé Dirceu)

    Quando o povo irado foi pra rua,
    Estudante virou cara-pintada,
    Todo mundo sabia da roubada
    De um governo metido em falcatrua.
    É por isso que você insinua,
    Acusando sem prova e sem razão,
    Meu partido não tem corrupção,
    Você é mentiroso e leviano,
    Nós não somos governo de tucano
    Abafando os escândalos da Nação.

    X(Roberto Jefferson)

    Você tem fama de autoritário,
    No seu grupo só tem stalinista,
    Por isso não gosta de anarquista,
    Ninguém segue o seu abecedário.
    O Gabeira lhe chama de otário,
    De babaca metido a ferrabrás,
    Você sabe que foi longe demais,
    Com Delúbio pegou o bonde errado,
    Ao pagar mensalão pra deputado,
    Zé Dirceu acabou o seu cartaz!


    Graco Medeiros, Recife, 19/06/2005.


  • TITANIC CACHOEIRA ABAIXO…

    Andressa Alves Mendonça, a companheira do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

     

    ANDRESSA MENDONÇA É CONDUZIDA À POLÍCIA FEDERAL EM GOIÂNIA SUSPEITA DE TENTAR CORROMPER JUIZ

    UOL / Rafhael Borges (Goiânia) – A Polícia Federal cumpriu na manhã desta segunda-feira (30), mandado de condução coercitiva expedido pela Justiça Federal em desfavor de Andressa Alves Mendonça, atual companheira de Carlinhos Cachoeira, apontado como o líder de organização criminosa de jogos ilegais investigada na Operação Monte Carlo. Também foi expedido mandado de busca e apreensão em sua residência.

    A suspeita é de que Andressa teria tentado corromper o juiz Alderico Rocha Santos, que julga o processo no qual Cachoeira é réu, para que o magistrado decidisse favoravelmente ao seu companheiro. Segundo a PF, ela teria incorrido no artigo 333 do Código Penal, que trata do crime de corrupção ativa.

    Andressa chegou à sede da Polícia Federal por volta de 9h30 e continua sendo ouvida às 10h. Com ela, foram recolhidos dois computadores, documentos e dois tablets, que vão ser periciados. Os próximos procedimentos vão depender das declarações e, posteriormente, da oitiva do juiz Alderico Rocha Santos.

    Processo

    Carlinhos Cachoeira é acusado de chefiar uma quadrilha que comandava jogos ilegais, principalmente em Goiás, e de usar de influência com parlamentares, como o ex-senador Demóstenes Torres, para manipular licitações e facilitar a entrada de empresas supostamente ligadas a ele e outros aliados nos governos do Distrito Federal, Rio de Janeiro e Goiás.

    Durante audiência, na última quarta-feira (25) em Goiânia, Cachoeira fez declarações de amor a Andressa. Cachoeira disse ainda que seu sofrimento é muito grande e, virando em direção a sua mulher, que estava na plateia, afirmou: “aquela mulher mudou a minha vida”. E completou: “Eu te amo”.

    Andressa respondeu que também o amava. Quando questionado pelo juiz se era casado, disse que era uma pergunta difícil, porque não era casado oficialmente. “Só o Ministério Público me liberar. No primeiro dia, tá?”, disse, olhando para Andressa. “Essa declaração eu queria fazer em público”, completou.


  • AS FEMINISTAS E O VÔLEI DE PRAIA EM LONDRES

     

    PRESSÃO POR BIQUINIS ABRE POLÊMICA E PONTUA EXPECTATIVA PELO VÔLEI DE PRAIA EM LONDRES

    UOL / Bruno Freitas (Londres) – A ideia de ter mulheres desfilando de biquínis no centro nervoso da cidade faz com que o vôlei de praia esteja entre os eventos de maior expectativa entre os fãs de Londres que acompanharão a Olimpíada em casa. Mas a pressão pela inusitada presença do traje na metrópole turística gerou uma espécie de debate feminista na nação que recebe os Jogos e provocou irritação das representantes locais.

    A expectativa do público britânico poderia residir na presença das duplas locais, especialmente pela parceria feminina. Shauna Mullin e Zara Dampney serão as primeiras britânicas a competir desde a introdução do esporte no programa olímpico em 1996. Mas o feito esportivo, alcançado através de convite (elas aparecem como 37ª dupla do mundo), tem ficado atrás do apelo para o desfile de corpos bem delineados em uma das áreas mais nobres e visitadas da cidade.

    Um dos jornais de Londres, o tabloide The Sun, fez uma campanha engajada para que as jogadoras do país não usassem as roupas mais longas, mesmo que o frio e a chuva se imponham sobre a sede do vôlei de praia. A aflição se intensificou especialmente na última semana, em dias de temperaturas baixas, mas acabou dispersando com a recente e tardia virada de calor de verão.

    Expostas ao tema insistentemente em sua terra, as britânicas do vôlei de praia demonstraram nos últimos dias certa irritação, manifestando que o interesse pelo esporte precisa estar acima da expectativa de ver garotas em roupas módicas no centro de Londres. Mas, no fim das contas, Shauna Mullin acabou cedendo aos apelos.

    “Esse tema chateia eles (familiares e amigos). Eles não entendem como falam só disso e não de como a gente dá duro. Mas não vamos decepcionar os fãs, usaremos os biquínis”, disse a britânica, após treinar de mangas compridas na semana passada.

    Em março deste ano a Federação Internacional de Vôlei (FIVB) anunciou que o traje de biquínis deixava de ser a única opção das jogadoras para a Olimpíada. Os shorts compridos acima do joelho e os tops passaram a ser alternativas para as atletas, em medida da entidade para atender a demanda de nações religiosamente mais conservadoras.

    “Tem uma nova regra para jogadoras que vêm de países com religião muito forte. Elas podem se cobrir mais. Mas não acho que isso vá acontecer aqui. Se estiver frio as meninas vão usar mangas, mas se o tempo estiver bom todo mundo vai vestir os biquínis”, disse a canadense Annie Martin após o treino de quarta-feira na sede da modalidade, usando o badalado traje de praia sob uma temperatura de mais de 30 graus.

    Na onda dos biquínis em Londres, até mesmo a família real deve se juntar ao sentimento de expectativa em relação ao vôlei de praia. A programação inicial dos nobres durante a Olimpíada prevê uma visita do príncipe Harry (solteiro) durante a competição na arena provisória erguida na Horse Guards Parade, a morada da cavalaria da rainha.

    SEGURANÇA DA SEDE É UMA DAS MAIS PESADAS DOS JOGOS

    A sede do vôlei de praia em Londres está situada na Horse Guards Parades, local que abriga a guarda montada e que geralmente atrai muitos turistas. Bem ao lado da arena fica a residência oficial do primeiro-ministro britânico, na casa número 10 da Downing Street, hoje ocupada por David Cameron. Por isso, todo esse pacote de ambiente faz com que a segurança funcione em um nível mais exagerado por ali.

    A entrada de pessoas credenciadas no local é marcada por uma revista minuciosa feita por integrantes do exército, e eles estão por todas as partes dentro ou fora do complexo. Mesmo em deslocamentos internos a imprensa e integrantes das delegações esportivas ainda precisam ser submetidos à vistoria cuidadosa de equipamentos.


  • EU QUERO É MAIS, COMPANHEIROS!

    Delúbio Soares, “o guerreiro do povo brasileiro”, segundo ‘los companheiritos’ da Juventude do PT no Distrito Federal.

     

           EX-TESOUREIRO DO PT FAZ PIADA A DEZ DIAS DE O STF JULGAR O MENSALÃO

    CORREIO BRAZILIENSE / Leandro Kleber – “No fim tudo dá certo, e se não der certo é porque ainda não chegou ao fim”. Com essa frase em uma faixa, a juventude do PT no Distrito Federal recebeu Delúbio Soares, ex-tesoureiro do partido e um dos 38 réus no processo do mensalão, na noite de ontem.

    Delúbio chegou ao auditório da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Conic, às 19h20 e cumprimentou os presentes, um a um. Percebendo que o ambiente não estava cheio, saiu por uma porta lateral. Enquanto isso, militantes entregavam à Defesa de Delúbio Soares no STF, uma publicação na forma de revista com 78 páginas. Delúbio retornou ao auditório às 19h45 e se sentou na primeira cadeira até ser chamado pela mesa. Cinco minutos depois, ao ser convidado, foi aplaudido e ouviu os presentes gritarem: “Delúbio, guerreiro, do povo brasileiro”.

    O ex-tesoureiro estava sorridente e bem-humorado, como de hábito, e chegou a fazer piada ao ser avisado de que teria 20 minutos para falar. “Militantes antigos do PT costumam fazer discursos longos. O que eu gosto é de ouvir militantes mais jovens, que não costumam demorar”, brincou, provocando gargalhadas. Ele pediu que os militantes não entrem em discussões agressivas com ninguém por conta do mensalão. O ato em defesa de Delúbio, acusado de corrupção ativa e formação de quadrilha no processo do mensalão, acabou enchendo o auditório da CUT com pouco mais de 70 lugares. Estava marcado inicialmente para ocorrer na sede do PT. Segundo Andreza Xavier, da Juventude do partido, a preferência pelo auditório da CUT ocorreu porque ali foi possível instalar um telão e caixas de som na área externa.


  • O SUS DOS CACHORRINHOS

     

           HOSPITAL PÚBLICO PARA CÃO E GATO EM SÃO PAULO JÁ TEM SALAS CHEIAS

    FOLHA DE S. PAULO – Sem inauguração nem grande divulgação, o primeiro hospital público para animais do país, no Tatuapé (zona leste), abriu as portas com grande procura.

    Em funcionamento desde o dia 2, o local já vive rotina de sala de espera cheia e senhas que acabam em poucas horas. A unidade tem atendido cerca de 70 animais/dia.

    Fruto de uma parceria entre a prefeitura e a Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais de São Paulo, o hospital tem como prioridade atender cães e gatos cujos donos não tenham condição de custear tratamento. Para ter atendimento, é preciso comprovar renda baixa.

    Para as consultas com o clínico, há distribuição de senhas. São 30 por dia, mas costumam acabar às 13h.

    Caso o animal precise de uma consulta com um especialista, é encaminhado no mesmo dia ou agenda a consulta para outra data. Já estão disponíveis no hospital cirurgia, ortopedia, dermatologia e odontologia.

    O atendimento de emergência não requer senha. Nesse caso, não é necessário ter baixa renda, mas o tratamento só será continuado se o dono do animal comprovar que não tem condições.

    O hospital conta com 28 funcionários (16 veterinários). A associação recebe repasse mensal de R$ 600 mil da prefeitura para administrar o local e tem como meta mil consultas e 180 cirurgias/mês. A rottweiler Hanna, oito anos, foi uma das atendidas. Os veterinários descobriram que ela está com gastrite, problemas renais e uma doença que atrofia a parte traseira do corpo. “Não sabemos se ela vai voltar a andar”, disse Silvana Bueno Ferro.


  • DE OLHO NA MEDALHA

     

    MUSA DO MMA, MEDALHISTA EM PEQUIM – 2008 VÊ ATLETAS “LOUCOS POR SEXO” DURANTE OLIMPÍADAS

    UOL (São Paulo) – A ida dos atletas para os Jogos Olímpicos é importante não apenas pela parte esportiva, mas também pela integração dos povos. A fama de “afrodisíaca” que a competição tem tido ao longo dos anos é comprovada pela judoca norte-americana Ronda Rousey. Também lutadora de MMA, a medalhista em Pequim-2008 vai para a sua terceira Olimpíada fazendo uma revelação inusitada sobre o comportamento dos esportistas: eles vão para os Jogos estando “loucos por sexo”.

    A musa, que disputou os jogos de Atenas-2004 e conseguiu ainda o bronze em Pequim-2008, afirmou que o clima entre os atletas é de grande integração, e concordou que muitos deles acabam “perdendo o foco”. E mais: recomendou aos esportistas que tomem as devidas precauções ao se relacionar entre si.

    “Existe uma grande quantidade de pessoas bonitas, vindas de diferentes países, na melhor forma física de suas vidas… e todas juntas na Vila Olímpica. Meu conselho é… camisinhas. Estejam seguros, pessoal!”, afirmou a judoca.

    “Muita gente treina durante a vida inteira para os Jogos, e de repente se perde com todo o álcool… muitos simplesmente não se importam e ficam malucos. Se você duvida de mim, assista aos vídeos das cerimônias de abertura e de encerramento e veja o contraste, é engraçado. As pessoas se curtem, então fiquem tranquilos e se cuidem”, comentou.

    A lutadora, que chegou a pedir que o uso de maconha seja retirado da lista de proibições por doping no MMA, afirmou que o clima na sede da delegação norte-americana é de camaradagem, à exceção por um grande nome: Michael Phelps. Rousey esbravejou contra o nadador, afirmando que, pela sua experiência em Pequim, ele é o único que não se junta aos demais esportistas dos Estados Unidos.

    “Michael Phelps me irritou um pouco. Nós tivemos esse clube para todos os norte-americanos, e todos os atletas olímpicos estiveram lá curtindo juntos. E Michael Phelps quis um espaço particular para ficar separado”, afirmou, criticando o recordista olímpico.

    “Todos esses atletas da NBA são bem mais representativos que ele e estiveram curtindo conosco. Nós somos seus companheiros de equipe, e não seus fãs, venha curtir com a gente. Não gosto de ser um companheiro de equipe e ser tratado como se fosse fã. Olhe para si mesmo, tudo o que você faz é nadar”, alfinetou a musa do MMA e do judô.


  • “VEM PRA CAIXA VOCÊ TAMBÉM!” (*)

     

       CAIXA CORTA JUROS E DÁ MAIS PRAZO PARA COMPRAR MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

    UOL (São Paulo) – A Caixa Econômica Federal anunciou nesta segunda-feira (23) o corte dos juros cobrados na linha Construcard, que financia a compra de material de construção. O banco também ampliou o prazo máximo de financiamento nessa linha.

    A taxa mínima do Construcard passou de 1,96% ao mês para 1,40% ao mês. A máxima, que era de 2,35% ao mês, agora é de 1,85% ao mês.

    O prazo máximo de financiamento, que antes era de 60 meses, foi ampliado para até 96 meses.

    As novas taxas e o novo prazo máximo valem a partir desta segunda (23).

    Dados da Caixa mostram que, nos últimos cinco anos, o Construcard já beneficiou mais de 1,2 milhão de  famílias, emprestando cerca de R$ 15 bilhões.

    A linha Construcard é oferecida para compra de material de construção apenas em estabelecimentos conveniados. A lista pode ser consultada no site do banco. Não há limite máximo de financiamento.

     

     Nota do SDV ( * ): famoso jingle da Caixa Econômica Federal.


  • EU QUERO SUS, EU QUERO TCHU, EU QUERO TCHA!

    Em virtude da eficácia e excelência de atendimento do SUS prestado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo inchaço dos planos de saúde dos novos-ricos do Brasil, eu quero SUS, eu quero tchu tcha tcha tchu tchu tcha !!!!

     

         COM BOOM DE CLIENTES DE PLANOS DE SAÚDE, ESPERA CRESCE EM HOSPITAIS

    FOLHA DE S. PAULO / Cláudia Collucci e Talita Bedenelli – Com dores na coluna, a analista Isabel Cristina Pires, 28, esperou cinco horas para fazer raio-X e tomar medicação no Hospital São Luiz (na zona sul de São Paulo).

    Durante esse tempo, contou 30 pessoas de pé, uma deitada no chão e outras cinco em cadeiras de roda à espera de atendimento. “Para que pagar plano de saúde caro? Para ser tratada em um hospital conceituado como paciente do SUS?”, diz.

    Do outro lado da cidade, na zona leste, a aposentada Zenaide Muniz, 78, ficou oito horas aguardando leito de internação. Só foi para o quarto após a filha ameaçar armar um barraco no hospital da operadora GreenLine, que disse que prestou todo o atendimento.

    Cenas assim, comuns em hospitais públicos, têm se tornado cada vez mais frequentes em unidades privadas da capital paulista, que trabalham com taxa de ocupação máxima, de 95%. O ideal seria até 85%, para evitar a falta de leitos para urgências.

    Elas são só um exemplo das dificuldades que usuários de planos têm enfrentado, ao lado da demora na marcação de consultas, exames e cirurgias. No mês passado, a Folha mostrou que há superlotação em maternidades particulares.

    O próprio São Luiz admite que tem recebido uma alta demanda de pacientes e, por priorizar casos de emergência, é possível que haja demora no atendimento. O hospital afirma que até fez mudanças na forma de atendimento para reduzir a espera.

    AQUECIMENTO

    Em razão do crescimento econômico vivido pelo país, mais pessoas têm contratado planos de saúde. Na capital paulista, o número de conveniados subiu 13% desde 2009.

    A rede hospitalar, no entanto, não cresceu à altura. Pelo contrário: nesse período, o número de leitos de internação e de UTI caiu 8,4%.

    Parte da queda ocorreu pelo fechamento de oito hospitais em 2010 e 2011, com 600 leitos, afirma o sindicato dos hospitais (Sindhosp).

    Um levantamento do professor do Departamento de Medicina Preventiva da USP Mario Scheffer, que coordenou a pesquisa Demografia Médica no Brasil, de 2011, mostra ainda que quem frequenta o SUS na capital tem à disposição mais médicos do que quem tem plano.

    “A situação é bem problemática. Temos pacientes graves esperando atendimento por horas em hospitais privados”, diz o médico Florisval Meinão, presidente da Associação Paulista de Medicina.

    Segundo ele, os planos “remuneram mal os hospitais, que, por sua vez, têm dificuldade de expandir a rede e até de se manterem abertos.”

    Para Sheffer, a Agência Nacional de Saúde Suplementar é omissa. “Não fiscalizou o dimensionamento inadequado da rede e nem o ‘congelamento’ do número de médicos.”

    A FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar), que representa 15 dos maiores grupos de operadoras do país, afirma que suas afiliadas “vêm fazendo contínuo esforço de investimento na ampliação da capacidade de atendimento”.


  • “ARRANJAR UM JEITO NESSE AREAL” (*)

    Calçadão da praia de Ponta Negra (Natal / RN) afetado pelo avanço das marés. Foto de Heracles Dantas.

     

                                                   A SOLUÇÃO É COLOCAR AREIA

    DIÁRIO DE NATAL / Sérgio Henrique Santos (Natal) – A solução provisória e emergencial para conter a força das marés no calçadão de Ponta Negra é uma velha conhecida dos proprietários de quiosques e hotéis na orla. A partir de hoje, serão colocados 400 sacos de areia para evitar que os detritos se espalhem e que novas marés altas destruam ainda mais a estrutura já deteriorada. Na semana que vem chegam mais 3 mil sacos, fornecidos pela empresa Big Bag do Nordeste. Outra frente – formada por garis da Urbana, atua na limpeza da praia. Ontem uma comissão formada por três secretarias municipais (Obras, Serviços Urbanos e Turismo), dois fuzileiros navais e a direção local da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RN), fez uma visita ao calçadão de Ponta Negra.

    Foi uma tentativa de dar pronta-resposta à reunião de quarta-feira com a prefeita Micarla de Sousa (PV), que pediu a seus auxiliares, soluções a curto, médio e longo prazo para o problema. Após a vistoria, os representantes se reuniram no Hotel Praiamar, próximo ao calçadão. Foi definida a operação: as Big Bags serão colocadas numa profundidade de aproximadamente 50 centímetros. Daí, serão enchidas e fechadas. O trabalho será iniciado com uma escavadeira e deve durar dois dias. O município garantiu providenciar outra para dar celeridade à operação. Quem estabelece em dois dias o prazo é o proprietário da empresa, Adier Azevedo, que visitou a praia ontem, junto aos representantes do município.

    Os sacos de areia Big Bags não são sacos comuns, desses pequenos que são colocados na parte da costa que ameaça cair. “São sacos maiores e mais adequados para conter a área degradada. É uma solução paliativa para evitar novos desabamentos, tendo em vista que as maiores marés do ano estão previstas para início de agosto. Se der certo, atuaremos na reconstrução dos trechos que já cederam, e posteriormente faremos uma solução definitiva. Cogitamos, inclusive, a engorda da praia”, disse o secretário municipal de Serviços Urbanos (Semsur), Luiz Antônio Lopes, que esteve na vistoria. Esses sacos são mais adequados, por exemplo, do que pedras, que poderiam lesionar banhistas que utilizam a praia.

    George Gosson, vice-presidente da ABIH-RN, lembrou que o problema no calçadão de Ponta Negra tem urgência e emergência, tendo em vista que prejudica o turismo, uma das principais atividades econômicas do Estado. “O processo já está judicializado, e inclusive foi nomeado um perito para avaliar o problema. O juiz determina três perspectivas de prazos. A primeira, a curto prazo, é evitar que novos trechos venham a ruir, a segunda, que os trechos que já ruíram sejam recuperados, e a terceira, mais definitiva, é a solução para a erosão marinha nessa região de Ponta Negra”, disse. “A gente sabe que a instalação desses sacos não é definitiva. Mas estamos otimistas, esperamos que isso realmente evite que novos trechos venham a cair. Como o calçadão é construído em muro de arrimo, os rodapés precisam dessa proteção”.

     
    Nota do SDV ( * ): versos de “Potiguarina”, música de minha autoria (Graco Medeiros) com os parceiros Geraldo Carvalho e Tertuliano Aires.
    Ouça com Geraldo Carvalho: http://www.youtube.com/watch?v=MBY8xBozFNw