• AS BALAS DO COWBOY

    obama cowboy-pose                      Barack Obama (USA).

     

                             OBAMA TEM QUATRO OPÇÕES FRENTE A CRISE DA DÍVIDA

    BBC BRASIL – A possibilidade de que os Estados Unidos entrem em moratória se não conseguirem um acordo para elevar o teto da dívida pública do país já não é um cenário improvável.

    A hipótese foi reconhecida pelo próprio presidente Barack Obama, em meio ao impasse entre republicanos e democratas sobre os cortes no orçamento nacional.

    A dívida americana alcançou o teto de US$ 14,3 trilhões (cerca de R$ 22,2 trilhões) no último dia 16 de maio.

    A situação preocupa porque, caso o teto não seja elevado pelo Congresso até 2 de agosto, o país não conseguirá cumprir seus compromissos financeiros. Analistas advertem que uma moratória dos EUA provocaria pânico nos mercados financeiros internacionais.

    O secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, e seus assessores elaboraram planos de contingência, que deverão ser aprovados por Obama, caso o Congresso não chegue a uma decisão.

    Conheça as opções do presidente:
    A décima quarta emenda
    Alguns especialistas ressaltam que a décima-quarta emenda da Constituição dos Estados Unidos dá ao presidente o poder de passar por cima do Congresso e aumentar o teto da dívida por decreto.

    A lei estabelece que a dívida pública do país “não deverá ser questionada”.

    No entanto, o tema causa polêmica e poderia implicar um revés político para Obama. Além disso, outros analistas advertem que o presidente não tem autoridade real para aumentar o limite de endívidamento, decisão que até agora sempre esteve nas mãos do Congresso.

    Sobre o assunto, Obama disse: “Falei com meus advogados. Eles não estão convencidos deste argumento.”
    Venda de ativos
    Como alternativa, o Tesouro americano pode considerar vender alguns de seus ativos, como reservas de ouro ou instrumentos financeiros com respaldo hipotecário.

    No entanto, o especialista em economia da BBC, Theo Leggerd, acredita que isto seria “admitir perante o mundo que o governo tem um problema e não consegue cumprir suas obrigações”.

    Segundo Leggerd, isso causaria impacto na classificação de risco de crédito do país.

    Por outro lado, o especialista diz que vender os ativos sob pressão pode fazer com que seus preços caiam “e isso é algo que o governo quer evitar”.

    Intervenção da Reserva Federal
    Uma pergunta que muitos fazem é até que ponto o Federal Reserve, o banco central americano, pode tomar dinheiro emprestado para ajudar o Tesouro a cumprir seus compromissos.

    Segundo diversos analistas, isto não é parte das atribuições do órgão.

    De acordo com a agência de notícias Reuters, o presidente do Fed, Charles Plosser, disse na Filadélfia que o Banco Central atua como corretor do Tesouro nos mercados financeiros, e não pode simplesmente intervir.

    Para Plosser, isso equivaleria a uma internvenção em assuntos fiscais.

    Theo Leggerd explica que, a princípio, o governo poderia até mesmo monetizar a dívida, ou seja, imprimir dinheiro.

    “Mas isso teria efeitos negativos para a economia porque o dólar se desvalorizaria. Ou seja, não há uma saída fácil e é por isso que ambas as partes vão querer evitar chegar a este ponto.”
    Pagar a uns, não a outros
    Se republicanos e democratas não chegarem a um acordo, será inevitável dar prioridade a alguns pagamentos em detrimento de outros.

    “O governo terá que decidir como gasta o dinheiro que tem disponível e a prioridade será cumprir com seus compromissos de dívida, ou seja, pagar os juros”, explica Leggerd.

    Neste caso, terá que cortar seus outros gastos, como o pagamento a seus contratados, aos beneficiários da previdência social, às Forças Armadas, aos empregados públicos, entre outros.

    Por exemplo, o governo tem que pagar US$ 49 bilhões (R$ 76 bilhões) à previdência social no dia 3 de agosto, e este é um pagamento com o qual ele não poderá cumprir caso o Congresso não acabe com o impasse.


  • MAIS UM ‘OSCAR’ DO CINEMA PUXA-SACO

    dilma-rousseff_6977                                    Dilma Roussef – presidente do Brasil
                

             SEM MARIETA, PRODUTOR QUER FERNANDA MONTENEGRO COMO DILMA

    FOLHA.com / Ana Carolina Moreno (São Paulo) – Sem poder contar com a atriz Marieta Severo, que recusou viver Dilma Rousseff nos cinemas, produtores do filme sobre a trajetória da primeira mulher presidente do país agora tentam convencer Fernanda Montenegro a aceitar o papel.

    O produtor do filme Antonio de Assis enviou à agente de Fernanda na última terça-feira (26) a primeira versão do roteiro de “A Primeira Presidenta” ( * ), ainda em fase de pré-produção e com lançamento previsto para dezembro de 2012. Porém, até ontem, não tinha uma resposta.

    “Conversei com ele hoje pela primeira vez”, afirmou na terça-feira Carmem Mello, representante da atriz. De acordo com ela, a negociação “ainda é uma conversa entre produtores”. “A Fernanda ainda nem entrou na conversa”.

    “(O roteiro) ainda não foi liberado para ninguém, foi feita uma exceção”, afirmou Assis, que confirma a negociação. Segundo ele, o roteiro já foi finalizado e está apenas passando por revisões finais.

    O filme será baseado no livro homônimo, escrito por Helder Caldeira. A obra traça um paralelo entre a carreira política de Dilma e o processo de redemocratização do Brasil.

    OUTRAS DILMAS

    Atualmente, o nome de Fernanda Montenegro é o único cotado para o papel principal, o da presidente Dilma Rousseff a partir dos 40 anos, quando já ocupava cargos de expressão no governo do Rio Grande do Sul.

    O filme, porém, contará com duas outras atrizes representando Dilma em outras idades. Uma interpretará Dilma quando criança e outra entre as idades de 16 a 25 anos, aproximadamente. Assis afirmou que, nesta semana, enviou convite às atrizes Larissa Maciel, 33, e Priscila Fantin, 28, para realização de um teste, na semana que vem, para o papel de Dilma na juventude.

    “Mas ainda não tivemos nenhum retorno”, disse Assis.

    Ambas são atrizes da “TV Globo”. Larissa, que já foi indicada ao prêmio Emmy, ficou conhecida após interpretar Maísa em uma minissérie sobre a cantora. Priscila acumula mais de 15 trabalhos na carreira. Sua aparição mais recente na televisão foi a personagem Nara Nolasco na novela “Tempos Modernos”, também de 2010.

    FINANCIAMENTO

    O produtor espera começar a preparação das três atrizes em novembro deste ano. Este processo, que inclui pesquisa aprofundada, teste de caracterização e estudo do texto, deve durar seis meses, segundo ele.

    Assis afirmou que a linha de financiamento da obra continua centrada em investimentos privados. “A gente não entrou e nem pretende entrar (em editais públicos e leis de incentivo fiscal), vai ser uma coisa bem comercial, com venda de cotas de patrocínio, como as novela hoje em dia.”

     
    Nota do SDV ( * ): Lembram de “Lula, o Filho do Brasil”, escolhido em 2010 para representar ‘efe paisf’ no Oscar de 2011? Um fiasco e tapa no saco.
    Quanto à flexão do pronome de gênero feminino dado a presidente Dilma Roussef, este SDV só adotará quando todas as mulheres poetas aceitarem, numa boa, serem tratadas como poetisas.


  • PAGOT PEGOU E PRECISA PAGAR…

    pagot-dnit             Luiz Antonio Pagot, ex-diretor geral do Dnit. Exonerado por um “tiquitinho de nada?”

     

            PAGOT AFIRMA QUE PRECISA ‘PAGAR CONTAS’ E VAI IGNORAR ‘QUARENTENA’

    FOLHA.com (São Paulo) – O ex-diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Luiz Antonio Pagot, afirmou na terça-feira (26) que recebeu propostas de trabalho de empresas privadas, principalmente no setor de hidrovias, informa reportagem de Andreza Matais, publicada na Folha desta quarta-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

    Pagot afirmou, ainda, que não irá cumprir a “quarentena” imposta a servidores públicos porque tem que pagar suas contas.

    Ele foi exonerado na última segunda-feira (25) após acusações de que recebia propina de empreiteiros.

    Segundo o Ministério dos Transportes, Pagot cancelou suas férias, que iriam até o dia 4 de agosto, e solicitou à presidente Dilma Rousseff sua exoneração.

    Com a saída de Pagot, o governo espera encerrar a pior parte da crise que há 24 dias assola a pasta.

    O Ministério dos Transportes é alvo de suspeitas de corrupção após reportagem da revista “Veja”, no dia 2 de julho, revelar um suposto esquema de pagamento de propinas em obras federais da pasta.


  • “A FESTA DA MENINA MORTA” (*)

    menina morta2

    MENINA DO ZIMBÁBUE ‘RESSUSCITA’ EM NECROTÉRIO APÓS CONFIRMAÇÃO DE SUA MORTE

    EFE (Em Harare) – Uma estudante do Zimbábue não para de ser celebrada em seu país depois de ter “ressuscitado” no fim de semana passado em um necrotério de Harare, após ser declarada oficialmente sua morte, publica nesta quarta-feira o jornal zimbabuano “Newsday”.

    Aluna de uma escola do seleto bairro de Mount Pleasant, cuja identidade não foi identificada, teve de deixar a sala de aula na sexta-feira por causa de uma forte dor de cabeça.

    A menina desmaiou e foi transferida a um centro médico privado, onde foi declarada morta.
    No entanto, uma funcionária do necrotério “escutou a menina tossindo” no sábado, relatou ao periódico uma professora da escola.

    “Parece que não tinha morrido, mas entrado em estado de coma e acabou recuperando a consciência no necrotério, talvez devido ao frio. Felizmente, uma funcionária a escutou e a atendeu”, explicou a professora.

    O inesperado retorno da menina à escola, na terça-feira, causou no princípio susto aos colegas. Agora todos já assimilaram o “milagre”.


    Nota do SDV ( * ): A Festa da Menina Morta
    é o primeiro longa-metragem dirigido pelo ator Matheus Nachtergaele (2008). Todos os anos a cidade celebra a festa da menina morta, quando recebe romeiros que desejam a bênção de um jovem, conhecido como Santinho, que manifestou tais dotes após o suicídio da mãe, quando veio até suas mãos, da boca de um cachorro, os trapos do vestido de uma menina desaparecida que todos os anos fala pela boca do santinho em transe.
    Na foto acima, Samara Morgan (atriz Daveigh Chase), do filme “O Chamado” (2002 / EUA).


  • AVÔHAI (*)

    luan e pietraDia dos Avós (26 de julho) – homenagem aos meus netos Luan e Pietra

     

    Um velho cruza a soleira
    De botas longas, de barbas longas
    De ouro o brilho do seu colar
    Na laje fria onde quarava
    Sua camisa e seu alforje
    De caçador.

    Oh! Meu velho e Invisível
    Avôhai!

    Oh! Meu velho e Indivisível
    Avôhai!

    Neblina turva e brilhante
    Em meu cérebro coágulos de sol
    Amanita matutina
    Que transparente cortina
    Ao meu redor…

    E se eu disser
    Que é meio sabido
    Você diz que é meio pior
    E pior do que planeta
    Quando perde o girassol

    É o terço de brilhante
    Nos dedos de minha avó
    E nunca mais eu tive medo da porteira
    Nem também da companheira
    Que nunca dormia só.

    Avôhai!
    Avô e Pai
    Avôhai!

    O brejo cruza a poeira
    De fato existe um tom mais leve
    Na palidez desse pessoal.
    Pares de olhos tão profundos
    Que amargam as pessoas que fitar

    Mas que bebem sua vida
    Sua alma, na altura que mandar.

    São os olhos, são as asas
    Cabelos de Avôhai…

    Na pedra de turmalina
    E no terreiro da usina
    Eu me criei
    Voava de madrugada
    E na cratera condenada
    Eu me calei.
    Se eu calei foi de tristeza
    Você cala por calar
    E calado vai ficando
    Só fala quando eu mandar…

    Rebuscando a consciência
    Com medo de viajar
    Até o meio da cabeça do cometa
    Girando na carrapeta
    No jogo de improvisar.
    Entrecortando
    Eu sigo dentro a linha reta
    Eu tenho a palavra certa
    Pra doutor não reclamar.

    Avôhai! Avôhai!
    Avôhai! Avôhai!


    Nota do SDV ( * ): “O começo de tudo foi essa canção que abriu as portas do sucesso nacional para Zé Ramalho (música do LP ‘Zé Ramalho’ / 1977). Zé afirma que essa foi a única música efetivamente psicografada em toda sua carreira. A letra longa e sem repetições surgiu de uma só vez, mal tendo o autor tempo de escrever o que lhe vinha à mente, ao mesmo tempo em que uma voz lhe soprava ao ouvido ‘Avôhai! Avôhai!’ (avô e pai). Avô que o criou, desde os 9 anos” (Antologia Acústica de Zé Ramalho / 20 anos).
    Ouça Avôhai acústico: http://www.youtube.com/watch?v=dvuY2swhTv0 


  • “Ô COISINHA TÃO BONITINHA DO PAI”

    breivik                        Anders Behring Breivik, autor confesso dos atentados na Noruega.

     

     PAI AFIRMA QUE PREFERIA QUE BREIVIK TIVESSE SE SUICIDADO ANTES DE MASSACRE

    EFE (Oslo) – O pai do autor confesso dos atentados de Oslo, Anders Behring Breivik, afirmou nesta segunda-feira que seu filho deveria ter se suicidado antes de cometer o massacre que tirou a vida de 76 pessoas.

    Em uma entrevista ao canal de televisão norueguês “TV 2”, Jens Breivik se mostrou abalado com a tragédia que comoveu a Noruega nos últimos dias.

    “Acho que em última instância, deveria ter se suicidado antes de matar tanta gente”, afirmou o pai da localidade francesa de Cournanel (sul da França), onde vive desde que se aposentou.

     
    Nota do SDV ( * ): verso de “Coisinha do Pai”, música de Jorge Aragão e Almir Guineto, sucesso com Beth Carvalho.


  • BACK TO BLACK (*)

    amy pulando muro2

    Amy_Winehouse2_thumb[1]

     


    AMY

    Bye, mundo fela da puta.
    Bebo cicuta e tchau.

    Pulo o muro sem futuro
    desse escuro quintal.

    Fujo pela tangente
    e quebro o dente no pau.

    Bye, mundo malhado, bye!
    Saio correndo pelo descampado
    e cry!
     

    (GM)

     
    Nota do SDV ( * ): título de álbum e música de Amy Winehouse e Mark Ronson (2006).

     


  • O MAESTRO CIDADÃO

    cussy de almeida                                O maestro e violinista natalense Cussy de Almeida

     

    ORQUESTRA CRIANÇA CIDADÃ RELEMBRA O MAESTRO CUSSY DE ALMEIDA UM ANO APÓS A PERDA

    Diário de Pernambuco / Viver – Para o maestro Cussy de Almeida, a música era, além de uma expressão artística, um instrumento de transformação social. É verdade que ele só materializou essa verdade em método na segunda metade da sua vida. Nos primeiros anos, ele sentiu na pele até onde a música podia levar um homem, e investiu na carreira como todo jovem artista ansioso pela consagração. Mais tarde, dotado do conhecimento necessário e da ousadia dos quem acham que podem, sim, mudar o mundo, Cussy não economizou nos voos criativos. O violinista e maestro morreu há um ano e deixou, além do legado musical das suas composições e gravações, o exemplo de como a disciplina e o estudo da música podem transformar o futuro das pessoas, como as 130 crianças do bairro do Coque, que hoje respondem por Orquestra Criança Cidadã.

    Nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, Cussy chegou ao Recife ainda criança para estudar com o professor Vicente Fittipaldi, sendo admitido na Orquestra Sinfônica do Recife com apenas 14 anos. Depois de anos de estudo, em 1954 Cussy seguiu para a Europa, estudando violino em Paris e Genebra, onde obteve o prêmio de alta virtuosidade. Mas nada sem muito esforço. Como costumava lembrar, foram duros anos aqueles, onde só o vigor dos seus 23 anos podiam aguentar o frio, a saudade do Brasil, e as condições precárias de sobrevivência no exterior.

    Na maturidade, Cussy acreditou que colocar um violino no queixo de uma criança pela primeira vez podia ser o início de um caminho sem volta. “O caminho da música cura e transforma”, afirmava. Incomodado com as desigualdades sociais do seu país, ele decidiu usar a ferramenta que tinha nas mãos para mudar essa realidade.

    Foi na ocasião de presidente do Conservatório Pernambucano de Música, onde ficou por 16 anos, que Cussy de Almeida realizou seu primeiro experimento sócio-musical. Em 1994, ele levou a música erudita pela primeira vez para a periferia do Recife. A comunidade do Alto do Céu passou a abrigar um núcleo de estudos musicais, orientados pelo método japonês Suzuki, desenvolvido para crianças e que conta com a participação dos pais durante os estudos. Colocando no terreno prático sua ideia, uma das primeiras dificuldades que o maestro encontrou foi a resistência da própria comunidade, que não queria que seus filhos estudassem violino, “não é coisa de homem”, argumentavam. Foi quando Cussy percebeu que, além de músicos, também seria necessário formar cidadãos. Depois que Cussy deixou o Conservatório, os recursos que mantinham o projeto foram cortados e o Alto do Céu silenciou seus acordes.

    Nesse meio tempo, ele criou suas duas orquestras mais conhecidas. A Armorial, com a qual rodou o país e ganhou duas vezes o prêmio Villa-Lobos da Associação dos Produtores Fonográficos e o Grupo Orange, no qual trabalhou mais pessoalmente fundindo os ritmos populares como caboclinho, maracatu e chorinho às teorias clássicas.

    Aos 70 anos, já com a saúde debilitada, ele encontrou na Associação Beneficente Criança Cidadã o suporte necessário para realizar de uma vez por todas o seu sonho de ensinar música para crianças carentes. Ele viveu a tempo de constatar que estava certo. Que toda a rigidez e disciplina impostas aos jovens músicos surtiram efeito, e que a técnica dos meninos se aperfeiçoava a cada dia. Viu a sociedade aplaudir a iniciativa e os resultados. Antes de morrer, ele afirmava que ainda queria mais. Queria mais crianças estudando música, mais projetos como o dele implantados pelo país. Que a iniciativa do maestro Cussy inspire jovens músicos e maestros por aí.

    Depoimentos:

    “Se eu visse o maestro mais uma vez diria: Muito obrigada por ter sido esse anjo durão, mas simples e singelo; esse pai, amigo, um verdadeiro presente de Deus para a minha vida”.
    Genilza Bezerra – aluna de violoncelo da Criança Cidadã

    “Conheci o professor há muito tempo, desde 1988, no Conservatório Pernambucano. Ele me ensinou disciplina. Dizia que esses alunos não deveriam desistir nunca dos seus objetivos. Que a música mudava personalidades, transformava pessoas”.
    Aline Lima – professora

    “Era um líder nato. Para ele, não havia obstáculos, nem empecilhos quando se tratava em elevar o nome da orquestra e o conhecimento musical dos alunos. Intenso em todas as suas emoções… Os seus exemplos irão continuar a ser a nossa bússula pelo bem-estar da orquestra”.
    João Targino – coordenador  da Orquestra Criança Cidadã

    “Passou-se um ano desde que os acordes que meu pai tocava silenciaram. Nestes 365 dias, entre uma saudade de apertar o coração e outra, muitos atos que só a sua presença possibilitava, fazem falta no nosso dia a dia. Como os conselhos de gente sábia e as genialidades de sua mente perspicaz. Ele não só me deixou órfã de pai, mas também todas as 150 crianças da Orquestra”. 
    Nathalia Wicks de Almeida – filha do maestro

  • LULA VAI FICAR ‘PUTIN’ DA SILVA…

    lula e as mulheres

    putin e as louras

     

                       CONCURSO INCENTIVA RUSSAS A TIRAREM A ROUPA POR PUTIN

    UOL (São Paulo) – A um ano das eleições presidenciais russas, um grupo lançou uma campanha online inusitada para incentivar o voto feminino em Vladimir Putin. A ideia é que as moças arranquem suas roupas pelo candidato e concorram a um iPad 2.

    O “Exército de Putin”, como o grupo é chamado, já publicou um vídeo em que uma loira anda pelas ruas de Moscou e se diz “louca pelo homem que mudou a vida do país”. Ela, então, explica as regras do concurso.

    Para ganhar o tablet, as russas devem mandar vídeos com demonstrações ousadas de apoio a Putin.

    No mesmo vídeo, outra mulher escreve na roupa, com batom vermelho, “vou rasgar minhas roupas para você, Putin”, e fica só de sutiã.

    Putin, que já foi presidente e hoje é o primeiro-ministro da Rússia, quer voltar ao poder nas eleições do ano que vem.
     

  • DE MICRO E PEQUENA EMPRESA

    Luiza Helena Trajano               Boia no céu imensa e amarela / Tão redonda a lua / Como flutua” ( * )

     

                      DONA DA MAGAZINE LUIZA É COTADA POR DILMA PARA MINISTÉRIO

    FOLHA.com (São Paulo) – O nome da empresária Luiza Trajano, proprietária da rede de lojas Magazine Luiza, é cogitado pela presidente Dilma Rousseff para assumir a futura Secretaria da Micro e Pequena Empresa.

    Reportagem de Valdo Cruz publicada na Folha desta terça-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha) informa que o nome de Trajano foi citado pela própria presidente após solenidade recente no Planalto, na qual a empresária esteve presente.

    Em conversa com assessores, Dilma comentou que ela seria “um bom nome” para o futuro ministério, que, além de micro e pequena empresas, deve cuidar do setor da economia solidária.

    Ligada diretamente à Presidência da República, a secretaria tem status de ministério e sua criação ainda depende de aprovação de projeto de lei encaminhado ao Congresso em março.

     

    Nota do SDV ( * ): versos de Luiza, música de Tom Jobim.